Mundo

Mulher que morreu no apartamento de Saint Denis não se fez explodir

Mulher que morreu no apartamento de Saint Denis não se fez explodir

Hasna Aitboulahcen, a mulher que se julgou tratar-se da primeira bombista suicida da Europa, afinal não se fez explodir com a aproximação da polícia. Terá sido uma terceira pessoa que se encontrava no apartamento que ativou o cinto de explosivos e a atingiu.

A revelação foi feita esta sexta-feira pelos média locais, que citam fontes policiais. Segundo a iTele, citada pela BBC, o cinto de explosivos estaria a ser usado por um homem, que se fez explodir, desfazendo-lhe o corpo.

Aitboulahcen terá gritado por socorro à janela do apartamento, antes da explosão a matar, uma informação que ganha novos contornos com esta revelação.

"Ela estava a tentar dizer que não estava ligada aos terroristas, que não tinha nada que ver com ele e que queria render-se", disse à BBC um elemento da polícia que participou no assalto em Saint Denis. As forças de segurança não acreditaram nas suas palavras.

Os investigadores afirmaram inicialmente que no dia do assalto policial ao bairro de Saint-Denis, a norte de Paris, uma das pessoas que estavam cercadas dentro de um apartamento tinha detonado um colete de explosivos, confirmando na altura de que se tratava de uma mulher suicida.

Esta sexta-feira, foi encontrado um terceiro corpo nos escombros do apartamento onde morreu Aitboulahcen.

Outras Notícias