Mundo

Jovem foi torturada e queimada viva devido a "bruxaria"

Jovem foi torturada e queimada viva devido a "bruxaria"

Uma jovem mãe acusada de "bruxaria" foi despida, encharcada de gasolina e queimada viva diante de uma multidão, incluindo crianças, na Papua Nova Guiné.

A mulher, identificada como Kepari Leniata, de 20 anos, pelo jornal "The National", foi torturada com ferro em brasa, amarrada e queimada viva com uma pilha de lixo coberta com pneus.

De acordo com o "Post-Courier", a mulher foi queimada viva pelos moradores, que a acusaram de ter matado um menino de seis anos através de "bruxaria", num ato que decorreu na quarta-feira na cidade de Mount Hagen, e que a polícia não conseguiu impedir.

Segundo os jornais, que publicaram imagens na capa, a mulher admitiu ter matado o menino, que sucumbiu depois de ter sido hospitalizado com dores no estômago e no peito na terça-feira.

As autoridades garantiram estar a investigar o caso.

Existe uma crença generalizada na feitiçaria na Papua Nova Guiné, onde muitas pessoas não aceitam as causas naturais como explicação para o azar, doença, acidentes ou morte.

Em 1971, o país avançou para a criminalização daquela prática. Contudo, a comissão de reforma legislativa propôs recentemente uma revogação, na sequência de um aumento do número de ataques contra pessoas que acreditam terem sido alvo de "magia negra".

Conteúdo Patrocinado