Alemanha

Muro deixou de dividir a Alemanha há 25 anos

Muro deixou de dividir a Alemanha há 25 anos

Dois milhões de visitantes são esperados, este domingo, nas celebrações dos 25 anos da queda do Muro de Berlim, sob o lema "A coragem da liberdade". Uma "fronteira luminosa" com 8 mil balões recriou o antigo traçado. E onde estava Angela Merkel a 9 de novembro de 1989?

De manhã, Ângela Merkel inaugura uma exposição permanente sobre o Muro. Durante a tarde, a Porta de Brandeburgo é palco de vários concertos. À noite, serão lançados os 8 mil balões que, desde sexta-feira, iluminaram cerca de 15 quilómetros do antigo traçado do Muro, numa instalação artística denominada "fronteira luminosa". Vão subir aos céus de Berlim ao som da Ode da Alegria, o hino da União Europeia.

E onde estava Ângela Merkel na noite de 9 de novembro de 1989? A cumprir a sua rotina de quinta-feira: fazia sauna e sonhava ir a Berlim Ocidental comer ostras.

A atual chanceler alemã tinha 35 anos. Após a sauna, no regresso a casa, viu milhares de pessoas eufóricas na rua. "Estava sozinha, mas segui a multidão (...) e de repente estávamos no lado Ocidental de Berlim", contou Merkel, citada pela agência AFP.

Um acontecimento tão marcante e tão inesperado para os alemães como para o resto do mundo. Construído em 1961, o Muro dividiu a cidade de Berlim e tornou-se um símbolo da Guerra Fria. De um lado a República Federal da Alemanha (RFA) com o apoio de países capitalistas (França, EUA, Inglaterra) e do outro a República Democrática Alemã (RDA), simpatizante do regime soviético. Foram 28 anos de divisão e opressão no lado Oriental.

Até àquela noite de 9 de novembro. Numa conferência de imprensa, o porta-voz do governo da RDA foi questionado por um jornalista italiano sobre a nova legislação das viagens e quando entraria em vigor. "Pelo que sei, ela entra... já, imediatamente". A resposta deixou todos incrédulos. Uma multidão em festa saiu de imediato à rua e, algumas horas depois, "caiu" a fronteira berlinense.

Outras Notícias