Itália

Museus do Vaticano reabrem a 1 de junho

Museus do Vaticano reabrem a 1 de junho

Os museus do Vaticano vão reabrir a 1 de junho, com a obrigatoriedade de uso de máscaras e verificação da temperatura antes da entrada, enquanto a Igreja do Santo Sepúlcro, em Jerusalém, reabre este domingo.

O Vaticano anunciou este sbado também que uma equipa médica vai estar presente durante as visitas e que, como estas só poderão ser feitas mediante reserva, são dispensadas as taxas de emissão antecipada de bilhetes no valor de quatro euros.

No itinerário dos museus, encontra-se a Capela Sistina, com o teto coberto por Michelangelo, enquanto às sextas e sábados os visitantes podem tomar um aperitivo ao pôr do sol no pátio do Vaticano, igualmente por reserva.

A venda de bilhetes e as receitas da venda de lembranças são uma significativa fonte de rendimento para a Santa Sé.

Por enquanto, os museus suspenderam a iniciativa de entrada gratuita no último domingo de cada mês.

Também foi anunciada a oferta aos visitantes de passeios de autocarros abertos ao longo dos jardins do Vaticano, e aos fins de semana o público poderá visitar a residência de verão do Papa, em Castel Gandolfo, uma cidade montanhosa perto de Roma.

No pequeno Estado do Vaticano, houve 12 casos confirmados de covid-19 entre os funcionários.

Já este domingo, reabre também portas, pela primeira vez em dois meses, a Igreja do Santo Sepulcro em Jerusalém, que foi construída no local onde os cristãos acreditam que Jesus foi crucificado, sepultado e ressuscitado.

Líderes das três confissões que partilham o local anunciaram hoje em comunicado que a entrada vai ser limitada a 50 pessoas em cada visita, com uso de máscara e mantendo uma distância de dois metros, devendo evitar tocar ou beijar pedras e outros objetos no local sagrado.

A igreja foi fechada em março, juntamente com a maioria de outros locais da Terra Santa, de acordo com medidas restritivas impostas por Israel e pela Autoridade Palestiniana para conter o surto do novo coronavírus.

Durante a Semana Santa e a Páscoa no mês passado, a igreja permaneceu fechada, altura em que a Cidade Velha de Jerusalém costuma receber dezenas de milhares de peregrinos e turistas, tendo os padres realizado os rituais da Semana Santa em pequenos grupos, principalmente a portas fechadas.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG