Premium

Nadia Murad, Nobel da Paz: "Mundo assistiu a um genocídio sem fazer nada"

Nadia Murad, Nobel da Paz: "Mundo assistiu a um genocídio sem fazer nada"

Nadia Murad Prémio Nobel da Paz de 2018, a jovem Yazidi fugiu do "Estado Islâmico" e de um Iraque desfeito.

Tinha apenas 21 anos quando, no verão de 2014, os soldados do "Estado Islâmico" (EI) atacaram a aldeia onde vivia, no norte do Iraque. Foi vendida como escrava sexual. Violada. Torturada. Destruíram-lhe o corpo e os sonhos de criança. Nadia Murad conseguiu fugir e denunciou as atrocidades cometidas sobre o povo Yazidi. Está tudo no livro "Eu serei a última", publicado em Portugal pela Editora Objetiva.

As marcas ficam para sempre. Como a memória da família, morta às mãos dos terroristas. Agora, quer aproveitar a projeção do Prémio Nobel da Paz, que recebeu em dezembro, e o lançamento da "Iniciativa Nadia" para mudar consciências. Ao JN, diz que acredita num Mundo sem violência sexual e condena as palavras sem ação, comparando-as aos ataques que sofreu enquanto esteve sequestrada. Subiu do inferno à terra e agora quer ser ouvida.