Inglaterra

"Não quero o teu coronavírus no meu país". Jovem asiático agredido em Londres

"Não quero o teu coronavírus no meu país". Jovem asiático agredido em Londres

A polícia britânica está à procura de quatro suspeitos de um suposto ataque racista a um jovem asiático no centro de Londres motivado alegadamente pelo receio causado pelo surto do novo coronavírus Covid-19.

Jonathan Mok, um estudante de 23 anos de Singapura, sofreu fraturas e contusões no rosto depois que um grupo de homens o ter agredido quando ele caminhava por Oxford Street, uma rua bastante frequentada devido às numerosas lojas de roupa, pelas 21 horas (mesma hora em Portugal) de segunda-feira da semana passada.

Um dos membros do grupo que o agrediu com socos e pontapés terá gritado "Eu não quero o teu coronavírus no meu país", disse a vítima nas redes sociais, onde colocou também uma fotografia dos ferimentos no rosto.

A Polícia Metropolitana de Londres divulgou esta quarta-feira as fotografias de quatro suspeitos, tendo a sargento Emma Kirby afirmado que as forças de segurança estão "determinadas a encontrar os culpados" deste ataque racista.

"Não existe lugar nas nossas ruas para este tipo de comportamento violento", vincou.

No balanço mais recente feito pelo governo sobre o impacto do Covid-19 no Reino Unido, publicado esta tarde, as autoridades britânicas deram conta de 85 casos positivos em 16.659 pessoas testadas.

Dos 32 novos casos relativamente a terça-feira, o diretor geral de saúde, Chris Witty, disse que 29 pacientes tinham viajado recentemente de países reconhecidos ou contactado com pessoas sob investigação.

"Três pacientes adicionais contraíram o vírus no Reino Unido e ainda não está claro se o contraíram direta ou indiretamente de um indivíduo que regressou recentemente do exterior", explicou.

O surto de Covid-19, detetado em dezembro, na China, e que pode causar infeções respiratórias como pneumonia, provocou cerca de 3200 mortos e infetou mais de 93 mil pessoas em 78 países, incluindo cinco em Portugal.

Das pessoas infetadas, cerca de 50 mil recuperaram.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou o surto de Covid-19 como uma emergência de saúde pública internacional e aumentou o risco para "muito elevado".