Sea Watch

Navio da Sea-Watch com 412 migrantes a bordo após sete resgates em 24 horas

Navio da Sea-Watch com 412 migrantes a bordo após sete resgates em 24 horas

O navio da organização não-governamental (ONG) alemã Sea-Watch navega atualmente com 412 migrantes a bordo, após ter realizado sete resgates no Mediterrâneo nas últimas 24 horas.

"Após mais dois resgates: 412 pessoas a bordo do [navio] 'Sea-Watch 3'", anunciou a ONG alemã através da rede social Twitter.

Na mesma mensagem, a propósito destes resgates em concreto, a Sea-Watch relatou que a tripulação do aparelho aéreo de vigilância da ONG, o "Seabird", avistou um bote de borracha sobrelotado em dificuldades e reportou a ocorrência ao navio humanitário. "Embora a embarcação estivesse quase a afundar-se e as pessoas já estivessem na água, felizmente todos foram colocados em segurança", descreveu a ONG na rede social.

Noutra mensagem, a ONG relatou o caso de uma outra embarcação em perigo, desta vez uma embarcação de madeira, que também tinha a bordo vários migrantes. "A nossa equipa médica está a prestar os cuidados necessários a quem precisa", anunciou a ONG alemã, cujo navio humanitário realizou um total de sete operações de resgate desde domingo.

Nos dois primeiros resgates, realizados no domingo, o navio "Sea-Watch 3" recolheu um total de 120 pessoas, incluindo muitas crianças e alguns migrantes com "dificuldades de locomoção".

O "Sea-Watch 3" chegou no sábado à zona do Mediterrâneo Central, encarada como uma das rotas migratórias mais mortais, que sai da Líbia, Argélia e da Tunísia em direção à Itália e a Malta. O navio da ONG alemã, que esteve inoperacional durante algum tempo por decisão da justiça italiana, zarpou para esta missão do porto espanhol de Burriana, perto de Valência.

PUB

De acordo com a Sea-Watch, o aparelho aéreo de vigilância "Seabird" também reportou casos de embarcações com migrantes que foram reencaminhadas para a Líbia, que não é considerada "um porto seguro", por parte da guarda costeira líbia.

A Líbia, país localizado a cerca de 300 quilómetros das costas italianas que está imerso num caos político e securitário desde a queda do regime de Muhammar Kadhafi em 2011, tornou-se um importante ponto de passagem para centenas de milhares de migrantes, sobretudo africanos e árabes que tentam fugir de conflitos, violência e da pobreza, que procuram alcançar a Europa através do mar Mediterrâneo.

Em meados de julho, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) avançou que o número de migrantes que morreram ou desapareceram ao tentar fazer a travessia do Mediterrâneo em direção às costas europeias tinha mais do que duplicado desde o início de 2021 face ao mesmo período do ano passado.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG