Israel

Netanyahu abandona três ministérios devido a acusação, mantendo chefia do governo

Netanyahu abandona três ministérios devido a acusação, mantendo chefia do governo

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, acusado em três casos de corrupção, vai abandonar as pastas que acumula no executivo - Saúde, Agricultura e Diáspora - mantendo-se como chefe do governo, indicaram esta quinta-feira os seus advogados.

O anúncio acontece um dia depois dos deputados israelitas terem aprovado a dissolução do parlamento e convocado novas legislativas para 2 de março, as terceiras no período de um ano.

Netanyahu foi acusado em novembro pelo procurador-geral Avichai Mandelblit por suborno, fraude e abuso de confiança em três casos de corrupção. A lei israelita determina que qualquer ministro indiciado deve demitir-se, exceto o primeiro-ministro.

O Supremo Tribunal israelita recebeu uma petição do "Movimento por um governo de qualidade", pedindo a demissão de Netanyahu das suas funções ministeriais devido à acusação. Mandelblit afirmou depois que Netanyahu não poderia ser forçado a deixar a chefia do governo, mas que a questão das outras funções seria analisada.

Os advogados do primeiro-ministro enviaram esta quinta-feira uma carta ao Supremo Tribunal, consultada pela agência France Presse, indicando que Netanyahu "deixará de ser ministro a 1 de janeiro de 2020 e nomeará ministros substitutos".

"O primeiro-ministro continuará a ser primeiro-ministro de acordo com a lei", adiantaram Avi Halevy e Michael Rabelo.

Para o "Movimento para um governo de qualidade", o abandono das três pastas "não é suficiente" e o facto de Netanyahu continuar como primeiro-ministro é "uma vergonha terrível para Israel".

Netanyahu, primeiro-ministro durante mais tempo na história de Israel - 13 anos, na última década sem interrupção - e o primeiro chefe de governo acusado enquanto em funções, alega ser inocente e diz-se vítima de uma "caça às bruxas" por parte do ministério público e dos media.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG