O Jogo ao Vivo

Israel

Netanyahu diz "ser hora" de anexar parte da Cisjordânia

Netanyahu diz "ser hora" de anexar parte da Cisjordânia

Governo de união em Israel tomou posse, aprovado pelo parlamento.

"Eis a verdade: estes territórios estão onde o povo judaico nasceu e desenvolveu-se. Está na hora de aplicar a lei israelita e de escrever um novo capítulo glorioso na história do sionismo". Ficou claramente definida a prioridade do novo Governo israelita, na tomada de posse adiada de quinta-feira para este domingo, no parlamento. Pensado para criar a unidade necessária para enfrentar a pandemia de coronavírus ao fim de 14 meses de crise política, o Governo de união acabou por só ficar, assim, efetivo passada a crise sanitária...

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de direita radical reconduzido mas agora em partilha de poder com o ex-rival centrista Benny Gantz, verbalizou-a, ignorando os avisos ouvidos desde que o secretário de Estado dos EUA passou por Jerusalém, na quarta-feira, para reforçar a ideia, contida no "plano de paz" de Washington, rejeitado internacionalmente e cuja implementação o programa do novo Governo fixa para 1 de julho.

"Escapar" à justiça

"A verdade - e todos o sabem - é que as centenas de milhares de residentes da Judeia e Samaria ficarão sempre no seu lar, seja qual for o acordo de paz encontrado no final". Judeia e Samaria é como Israel designa a Cisjordânia, onde vivem hoje mais de 450 mil colonos judeus em território ocupado. Que é como quem diz, com este plano ou nenhum, o facto consumado é a anexação, que "não afastará" israelitas e palestinianos da paz, antes "aproximá-los-á". Diz Netanyahu. A Jordânia, com a qual Israel tem um acordo de paz, já avisou que nada continuará como está - e os jordanos têm jurisdição sobre a Esplanada das Mesquitas, área mais disputada de Jerusalém.

Gantz, do seu lado, é desde agora ministro dos Negócios Estrangeiros e "primeiro-ministro substituto". Dentro de 18 meses, troca de papel com Netanyahu, que fica primeiro-ministro substituto e escapa à demissão por força do processo por corrupção que arranca dia 24. Porque Israel permite que um primeiro-ministro indiciado se mantenha em funções, o que já não acontece com um vulgar ministro...

Outras Notícias