Espanha

Novo executivo independentista da Catalunha tomou posse

Novo executivo independentista da Catalunha tomou posse

O novo Governo independentista da Catalunha tomou posse ao fim da manhã deste sábado, pondo fim a um período de sete meses em que as forças separatistas tentaram, sem sucesso, eleger membros detidos ou fugidos no estrangeiro.

A posse tem lugar depois de, na passada terça-feira, o novo presidente do executivo catalão, Quim Torra, ter aceitado substituir quatro candidatos a ministro regional que estão na prisão ou fugidos no estrangeiro, acusados de delitos de rebelião no quadro do processo de independência.

Esta segunda lista com a composição do Governo regional (Generalitat) foi aprovada pelo executivo central liderado por Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), antes de este ser afastado e substituído na sexta-feira como primeiro-ministro de Espanha pelo líder do PSOE (socialista), Pedro Sánchez.

A cerimónia deste sábado também marca o fim da intervenção direta de Madrid na Catalunha, iniciada em 27 de outubro do ano passado na sequência da declaração de independência aprovada pelo parlamento regional.

O próprio Quim Torra, um independentista obstinado, só foi eleito há duas semanas, depois de os partidos separatistas, que voltaram a ter a maioria absoluta no parlamento regional, terem desistido de propor candidatos na prisão ou fugidos à justiça no estrangeiro.

No discurso que fez quando tomou posse a 14 de maio, Quim Torra voltou a sublinhar que Carles Puigdemont, o líder separatista que está em Berlim e aguarda uma decisão judicial que poderá extraditá-lo para Espanha, é o presidente "legítimo" do governo regional da Catalunha, tendo prometido ser "leal ao mandato" para "construir um Estado independente em forma de República".

O "processo" de independência da Catalunha foi interrompido a 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma, nomeadamente através da dissolução do parlamento regional, a destituição do executivo regional e a convocação de eleições regionais que se realizaram a 21 de dezembro último.

Sempre a realizar gestos de provocação à autoridade do Governo central, a cerimónia de tomada de posse dos ministros regionais deveria ter tido lugar ao mesmo tempo da de Pedro Sánchez como novo primeiro-ministro de Espanha, mas acabou por sofrer um atraso de uma hora.

O secretário-geral do PSOE prestou esta manhã juramento como primeiro-ministro perante o rei, Felipe VI, tornando-se no sétimo chefe do executivo da democracia espanhola e depois do sucesso de uma moção de censura.

Quim Torra apelou na sexta-feira a Pedro Sánchez para que dê passos e assuma "riscos" e pediu o início de uma negociação "de Governo a Governo" para enfrentar a situação "gravíssima" que se vive na Catalunha e que não pode durar "nem mais um dia".

Líder do executivo regional apela ao diálogo com novo chefe do Governo espanhol

O presidente do Governo da Catalunha, Quim Torra, apelou este sábado, em Barcelona, ao novo chefe do Governo espanhol, Pedro Sánchez, para iniciar conversações com o também novo executivo independentista daquela região espanhola.

"Presidente [do Governo] Pedro Sánchez, falemos, assumamos riscos, sentemo-nos à mesma mesa e negociemos de Governo para Governo. Esta situação que vivemos não pode prolongar-se nem mais um dia", disse Quim Torra, dirigindo-se ao novo chefe do executivo espanhol.

No discurso que fez na cerimónia de posse dos novos conselheiros (ministros regionais), em Barcelona, Torra expressou a sua "clara disposição para o diálogo", que considerou ser "imprescindível para resolver conflitos da forma como se faz no mundo civilizado".

Torra voltou a manifestar a seu firme compromisso em "avançar de acordo com o referendo de 01 de outubro" de 2017, no sentido de criar "um Estado independente na forma de uma República", um mandato que considera ter sido "referendado" naquela consulta à população.

O presidente do executivo regional terminou o discurso com um "viva a Catalunha livre".

O novo Governo independentista da Catalunha tomou posse ao fim da manhã deste sábado, pondo fim a um período de sete meses em que as forças separatistas tentaram, sem sucesso, eleger membros detidos ou fugidos no estrangeiro.

A posse tem lugar depois de, na passada terça-feira, o novo presidente do executivo catalão, Quim Torra, ter aceitado substituir quatro candidatos a ministro regional que estão na prisão ou fugidos no estrangeiro, acusados de delitos de rebelião no quadro do processo de independência.

Esta segunda lista com a composição do Governo regional (Generalitat) foi aprovada pelo executivo central liderado por Mariano Rajoy, do Partido Popular (direita), antes de este ser afastado e substituído na sexta-feira como primeiro-ministro de Espanha pelo líder do PSOE (socialista), Pedro Sánchez.

A cerimónia deste sábado também marca o fim da intervenção direta de Madrid na Catalunha, iniciada em 27 de outubro do ano passado na sequência da declaração de independência aprovada pelo parlamento regional.

O "processo" de independência da Catalunha foi interrompido em 27 de outubro de 2017, quando o Governo central espanhol decidiu intervir na Comunidade Autónoma, nomeadamente através da dissolução do parlamento regional, a destituição do executivo regional e a convocação de eleições regionais que se realizaram a 21 de dezembro último.

Os separatistas catalães sustentam que o resultado do referendo sobre a autodeterminação da Catalunha realizado em 01 de outubro de 2017 e que foi considerado ilegal lhes permite declarar a independência da região.

O secretário-geral do PSOE, Pedro Sánchez, prestou na manhã deste sábado, juramento, em Madrid, como primeiro-ministro perante o rei, Felipe VI, tornando-se no sétimo chefe do executivo da democracia espanhola e depois do sucesso de uma moção de censura.

Outras Notícias