Mundo

Novo presidente iraniano quer política de entendimento com o mundo

Novo presidente iraniano quer política de entendimento com o mundo

O presidente iraniano eleito Hassan Rohani afirmou este sábado que o seu governo vai aplicar uma política de "entendimento construtivo com o mundo" e defender "todos os direitos do Irão".

"A moderação em política externa não significa rendição nem luta. Significa um entendimento construtivo e eficaz com o mundo", declarou, durante uma intervenção difundida na televisão.

Rohani adiantou que, "no discurso moderado, o realismo é um princípio de base, tendo em conta os valores e os ideais da República Islâmica", defendendo que "o diálogo com os outros deve ser conduzido na base da igualdade e do respeito mútuos, dos interesses (...) e da confiança mútua".

Declarou que aquela política será aplicada "tendo em conta todos os direitos da nação (nomeadamente em matéria nuclear)" e "seguindo as diretrizes do guia supremo", o ayatollah Ali Khamenei.

A questão nuclear é um dos principais dossiers do próximo governo do Irão, que sofre pesadas sanções impostas pelos Estados Unidos e pela União Europeia que levaram a uma grave crise económica, com a inflação oficial a ultrapassar os 32 por cento.

O novo presidente iraniano, eleito a 14 de junho, defendeu igualmente uma política de "desanuviamento mútuo" com o Ocidente, cujas relações com o presidente cessante, Mahmud Ahmadinejad, eram tensas.

Rohani, que deverá tomar posse a 03 de agosto, disse ainda que "o próximo governo não será partidário, não está sujeito a qualquer partido ou tendência política" e que "vai utilizar as pessoas mais competentes de qualquer tendência política, desde que sejam moderadas".

No seu primeiro discurso televisivo, o chefe de Estado eleito, de 64 anos, também instou as autoridades iranianas a serem mais tolerantes em relação às liberdades civis, defendendo que devem ser impostas menos "restrições" aos jovens.

"As pessoas têm o direito de mostrar a sua alegria. Não se devem impor muitas restrições", declarou Hassan Rohani, evocando duas noites de manifestações festivas nas ruas, uma após o anúncio da sua eleição e outra depois do apuramento do Irão para o Campeonato Mundial de Futebol.

"O nosso povo é respeitoso por si da moral e das regras políticas e islâmicas" e em caso de uma falha "é suficiente dar um conselho amigo", adiantou.

Rohani pediu ainda à emissora estatal para evitar a "duplicidade de critérios" quando informa sobre os assuntos internacionais, considerando, sem dar exemplos, que uma injustiça em qualquer lugar do mundo deve ser criticada mesmo quando "acontece num país amigo".

O Irão apoia o regime do presidente Bashar al-Assad na Síria e os rebeldes que lutam contra o governo sírio são designados com regularidade como "terroristas" na emissora estatal iraniana.

Outras Notícias