O Jogo ao Vivo

Ucrânia

Novos recrutas russos vão mal preparados para a guerra

Novos recrutas russos vão mal preparados para a guerra

O Ministério da Defesa britânico considerou, nesta segunda-feira, que muitas das tropas russas enviadas pela Rússia para a Ucrânia como parte da mobilização parcial irão lutar "com uma preparação mínima" e que sofrerão, "provavelmente, um elevado nível de desgaste".

Num relatório com a mais recente análise à guerra na Ucrânia, o Ministério da Defesa do Reino Unido refere que os diferentes grupos de incorporados começaram a chegar às bases militares russas em terreno ucraniano, fruto das "muitas dezenas de milhar de convocatórias emitidas" aos reservistas.

Nesse sentido, acrescenta o ministério, a Rússia "enfrenta agora o desafio logístico e administrativo de dar instrução às tropas"

PUB

"Ao contrário da maioria dos exércitos ocidentais, as forças armadas russas dão aos soldados um treino inicial de baixo nível dentro das unidades operacionais designadas, em vez de o fazerem em centros de instrução", sublinha-se no relatório, que alerta para o facto de muitos deles não terem tido qualquer experiência militar em anos.

"A falta de instrutores militares e a pressa com que a Rússia avançou com a mobilização sugerem que muitos dos soldados irão para a linha da frente com uma preparação mínima. Provavelmente irão sofrer um alto nível de desgaste" psicológico, conclui o relatório do Ministério da Defesa britânico.

A ofensiva militar lançada a 24 de fevereiro pela Rússia na Ucrânia causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas -- mais de seis milhões de deslocados internos e mais de 7,4 milhões para os países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada pelo Presidente Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e "desmilitarizar" a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para Kiev e imposição a Moscovo de sanções políticas e económicas.

A ONU apresentou como confirmados desde o início da guerra 5.916 civis mortos e 8.616 feridos, sublinhando que estes números estão muito aquém dos reais.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG