EUA

Num mês morreram de covid três apresentadores de rádio anti-vacinas

Num mês morreram de covid três apresentadores de rádio anti-vacinas

Marc Bernier, de 65 anos, é o terceiro apresentador de rádio de direita e anti-vacinas a morrer de covid-19 no espaço de um mês, nos Estados Unidos. No mês passado tinha falecido Dick Farrel, que chamou a doença de "scamdemic" ("pandemia fraude", em tradução livre), e na última semana faleceu Phil Valentine, que questionou a necessidade de administrar vacinas contra o coronavírus.

Marc Bernier era um apresentador de rádio conservador de Daytona Beach, na Florida, e morreu no último sábado, depois de uma batalha de três semanas contra a covid-19.

O apresentador havia condenado publicamente a vacinação contra o vírus e chegou mesmo a proclamar-se "Sr. Anti-Vacinas" em direto, recorda o "The Independent".

O anúncio da morte do apresentador foi feito pela rádio WNDB, onde ele trabalhou durante três décadas. "É com grande tristeza que a WNDB e a Southern Stone Communications anunciam o falecimento de Marc Bernier, que informou e entreteve os ouvintes da WNDB por mais de 30 anos. Pedimos gentilmente que a privacidade seja dada à família de Marc durante este período de luto", escreveu a estação de rádio no Twitter.

Quando o co-apresentador Justin Gates perguntou a Bernier se ele iria tomar a vacina em dezembro, este disse: "Não vou tomar. Estás a brincar comigo? O Sr. Anti-Vacinas?". Gates perguntou depois se Bernier alguma vez tomaria a vacina, ao que este respondeu "não". Na sua última publicação no Twitter, Bernier comparou o governo dos EUA aos nazis por promover a vacinação.

No início deste mês, quando Bernier foi hospitalizado pela primeira vez, o "The Daytona Beach News-Journal" recordava que, embora "não tivessem conhecimento específico sobre o estado de vacinação" do apresentador, ele era bem conhecido pelas polémicas opiniões anti-vacinas durante o programa de rádio.

PUB

"Quem ouviu o programa dele, sabe que ele falava sobre o quão anti-vacinas ele era", disse Mark McKinney, diretor de operações daquela estação de rádio. Na altura, ainda antes da morte de Bernier e de saber da gravidade do seu estado de saúde, McKinney afirmou que iriam transmitir notícias várias vezes durante o dia sobre a recuperação do apresentador.

No dia 4 de agosto, Dick Farrel, outro apresentador de rádio conservador da Florida que havia criticado a vacina contra o coronavírus, morreu de complicações da covid-19. Farrel havia trabalhado em várias estações de rádio na Florida e condenou veemente a vacina, acusando o governo e as autoridades de saúde de mentir sobre as máscaras, a origem do vírus e o número de mortos. O apresentador também criticou Anthony Fauci, o principal médico de doenças infecciosas do país, chamando-o de "maníaco por poder e mentiroso", de acordo com o "The Washington Post", que noticiou a sua morte.

O jornal também revelava que Farrel tinha mudado a sua posição sobre as vacinas depois de ter contraído a doença. Ele teria pedido a um amigo de longa data para tomar a vacina e arrependeu-se de não tê-la recebido.

Na semana passada, Phil Valentine, outro apresentador de rádio conservador, de 62 anos, de Nashville, Tennessee, que questionou a necessidade de tomar a vacina, também morreu do vírus.

"As pessoas que acreditam instintivamente que o governo é a solução para tudo já falam sobre mandatos de vacinação. Esta deve ser uma escolha pessoal", escreveu Valentine no seu blogue, em dezembro. "Não sou um anti-vacinas. Estou apenas a usar o bom senso", acrescentou.

Porém, tal como Farrel, Valentine teria mudado a sua posição sobre as vacinas após contrair a covid-19. A estação de rádio em que ele trabalhava, a 99.7 WTN, publicou um comunicado, no dia 23 de julho, anunciando que Valentine havia sido hospitalizado e que lamentava "não ter sido mais a favor da vacina".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG