Brasil

Número de assassinatos de lideranças indígenas é o maior em pelo menos 11 anos

Número de assassinatos de lideranças indígenas é o maior em pelo menos 11 anos

O número de assassínios de lideranças indígenas em conflitos no campo dentro do Brasil em 2019 foi o maior em pelo menos 11 anos, segundo dados da Comissão Pastoral da Terra (CPT) divulgados esta terça-feira.

A CPT, uma organização ligada à Igreja Católica que atua defendendo diretos no campo que publica anualmente um levantamento sobre violência, informou que apenas em 2019 já foram registadas 7 mortes de líderes indígenas face 2 mortes contabilizadas em 2018.

Na manhã do último sábado, dois membros da tribo Guajajara foram mortos a tiro e outros dois ficaram feridos numa estrada que corta uma reserva, no estado brasileiro do Maranhão.

Foram assassinados os caciques Firmino Praxede Guajajara, da Terra Indígena Cana Brava, e Raimundo Belnício Guajajara, da Terra Indígena Lagoa Comprida.

As autoridades informaram que os disparos foram feitos por criminosos que estavam no interior de um veículo branco, mas não identificaram nenhum suspeito.

Também no Maranhão, há pouco mais de um mês, ocorreu o assassinato de outro líder indígena, Paulo Paulino Guajajara, que atuava como guardião da floresta.

Segundo organizações de direitos humanos, os ataques contra os povos indígenas aumentaram desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência do Brasil em 01 de janeiro.

PUB

Desde que chegou ao poder, Bolsonaro disse que não pretende delimitar novas terras indígenas e que legalizará a mineração artesanal nas reservas porque, na sua opinião, os índios devem ser considerados cidadãos brasileiros como todos os demais, com o direito de progredir, e eles não podem ser mantidos nas suas aldeias.

Para o diretor da organização Survival International, Stephen Corry, as atuais invasões e ataques às reservas no Brasil são o resultado da retórica anti-indígena de Bolsonaro, um capitão da reserva do Exército que tem o apoio de grandes proprietários de terras interessados em explorar as reservas florestais protegidas pelos indígenas.

Outras Notícias