Estudo

Número de detidos por terrorismo em 10 países da UE é o mais elevado desde 2000

Número de detidos por terrorismo em 10 países da UE é o mais elevado desde 2000

O número de detidos em prisões europeias por motivos relacionados com terrorismo atingiu em nível inédito neste milénio, segundo um estudo incidente sobre 10 países, que defende a gestão da detenção como instrumento prioritário da luta antiterrorista.

Segundo um relatório do Centro Internacional de Estudo da Radicalização (CIER), integrado no King's College de Londres, que reuniu contribuições de vários autores, "há mais detidos condenados por infrações ligadas ao terrorismo do que em qualquer momento desde a passagem do milénio".

Os detidos em causa são heterogéneos, mas salientam-se uma importante feminização e uma subida quantitativa dos militantes de extrema-direita, como se salientou no texto, divulgado esta semana, e que atualiza um semelhante produzido em 2010 também pelo CIER.

A França tem a maior parte dos detidos (549 de 1.405), à frente de Espanha (329), Reino Unido (238) e Bélgica (136). Os outros países têm conjuntos que não passam dos dois dígitos (Suécia, Países Baixos, Noruega e Dinamarca) ou não têm estatísticas completas (Alemanha e Grécia).

Todos os países inquiridos admitem a dificuldade de saber o que se passa exatamente intramuros prisionais.

Depois de apontar que o papel da prisão como incubadora daqueles movimentos é conhecido, o documento formula várias recomendações, baseadas no entendimento da prisão como uma prioridade.

"Conscientes que despender dinheiro na prisão é impopular", os autores apelam aos governos e às opiniões públicas para que "compreendam que a manutenção da ordem e da segurança na prisão constituem investimentos chaves para lutar contra o crime e o terrorismo".

PUB

A propósito, acentuaram que "nenhum programa informático nem instrumento de avaliação pode compensar a falta de pessoal, de espaço e de recursos fundamentais".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG