EUA

"Nunca vi nada igual". Mais de 30 mil deslocados e 600 casas destruídas pelo fogo no Colorado

"Nunca vi nada igual". Mais de 30 mil deslocados e 600 casas destruídas pelo fogo no Colorado

Rajadas de 169 quilómetros por hora alimentaram as chamas, que ainda não deram descanso. Xerife do condado decretou estado de emergência.

Em pouco tempo, a "tempestade perfeita". Numa altura em que o estado do Colorado, no oeste dos EUA, enfrenta um período de seca histórica, dois incêndios florestais alimentados por ventos de 169 quilómetros por hora engoliram pelo menos 600 casas.

"Estão reunidas as piores condições que já vi", descreveu Brad Lupher, bombeiro da cidade de Boulder, a 50 quilómetros da capital, Denver, todo ele frustração. "Não há muito que possamos fazer além de garantir que as pessoas sejam deslocadas em segurança", notou, explicando que, com este cocktail meteorológico, "o apoio aéreo é praticamente impossível".

As chamas eclodiram na quinta-feira, no norte do estado, arrancaram 34 mil pessoas de casa, nomeadamente em Superior e Louisville, e pintaram de negro pelo menos 648 hectares de vegetação. Sete elementos das equipas de socorro ficaram feridos, número que, avisou o xerife do condado de Boulder, Joe Pelle, pode aumentar nas próximas horas.

"É o tipo de fogo que não podemos combater de frente", sublinhou, contando que, em várias situações, os bombeiros tiveram de recuar face à fúria da Natureza.

Ainda estarrecido - "nunca vi nada igual" - o governador do Colorado, Jared Polis, declarou estado de emergência, revelando que o incêndio, a evoluir a uma intensidade surpreendente, consumiu campos de futebol em apenas segundos. "É horrível".

PUB

Um cenário apocalítico visível em vários vídeos partilhados nas redes sociais. Num deles, uma multidão sai de uma superfície comercial, ainda com os carrinhos de compras, e ao chegar ao estacionamento, quase uma guerra: ventos fortíssimos, visibilidade quase nula e o som quase desesperado de uma sirene. Um centro comercial e um hotel ficaram totalmente destruídos e vários hospitais tiveram de ser evacuados.

"É uma sensação estranha passar de ter tudo, numa vida confortável, para não ter nada", desabafou Patrick Kilbride a um jornal local. O homem, de 72 anos, estava a trabalhar numa loja de ferragens quando se apercebeu da ordem de evacuação. Correu até casa, mas só teve tempo de retirar alguns pertences antes de as chamas engolirem toda a propriedade. Não conseguiu salvar os dois animais de estimação. Morreram nas chamas.

O oeste dos EUA está a viver a pior seca dos últimos 30 anos e os baixos níveis de precipitação registados nos últimos meses em Boulder contribuíram para o caos. "É realmente difícil acreditar que isto esteja a acontecer no final de dezembro", confessou o investigador do clima Daniel Swain.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG