79.º dia de conflito

O castigo de Putin à Finlândia e as crianças levadas à força para a Rússia

O castigo de Putin à Finlândia e as crianças levadas à força para a Rússia

Moscovo prometeu e cumpriu. Na sequência da intenção oficializada pela Finlândia de aderir sem demoras à NATO, a Rússia decidiu suspender as entregas de eletricidade àquele país a partir de sábado. O chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zelensky, defendeu que as tropas russas estão a sofrer uma óbvia "derrota estratégica" e voltou a mostrar-se disponível para conversar com Putin, sem "intermediários" e sem ultimatos.

- O presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, considera que "é óbvio para todos no Mundo que a Rússia sofreu uma derrota estratégica" na invasão. "A Rússia, simplesmente, não tem coragem de o admitir", defendeu.

- O casal russo no centro da polémica com o acolhimento dos refugiados ucranianos em Setúbal diz que os documentos solicitados eram para a autarquia e para o pedido de proteção temporária ao SEF, assim como as perguntas sobre o agregado familiar.

- As tropas russas voltaram a tentar, sem êxito, entrar na fábrica Azovstal, onde permanece, há 75 dias, o último grupo de combatentes ucranianos da cidade portuária de Mariupol.

- O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, acusou a União Europeia (UE) de se ter tornado um "ator agressivo e belicoso", na sequência da guerra na Ucrânia. "A UE passou de uma plataforma económica construtiva, tal como foi criada, a um ator agressivo e belicoso que já mostra as suas ambições muito para além do continente europeu", defendeu.

- O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse ao chanceler alemão que é Kiev - e não Moscovo - que está a bloquear as negociações de paz. Na conversa com Olaf Scholz, Putin repetiu a sua justificação para a invasão - que é chamada de "uma operação militar especial" - e alegou que os civis escondidos na fábrica de aço de Mariupol estavam a ser detidos pelas forças ucranianas.

- O ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, pediu ao G7 que sejam confiscados bens russos para a reconstrução das zonas destruídas pela invasão e insistiu no embargo da UE ao petróleo da Rússia.

PUB

- Zelensky voltou a afirmar, esta sexta-feira, que está disponível para conversar com Putin, mas só com ele. "Sem nenhum dos seus intermediários. E no âmbito do diálogo, não de ultimatos", frisou.

- O presidente turco manifestou-se contra a entrada da Finlândia e da Suécia na NATO, por acolherem militantes curdos que a Turquia considera como terroristas, na primeira voz dissonante no seio dos 30 aliados.

- As tropas russas destruíram totalmente 101 instituições de saúde e danificaram outras 570 desde o início do conflito, afirmou o presidente do comité parlamentar da Saúde ucraniano, Mykhaylo Radutskyy.

- A comissária de Direitos Humanos do Parlamento ucraniano, Lyudmyla Denisova, afirmou que a Rússia já deportou à força 210 mil crianças de um universo total de 1,2 milhões de ucranianos levados contra a sua vontade.

- A Suécia e a Finlândia planeiam realizar conversações com a Turquia no sábado, em Berlim, depois de o presidente turco se ter manifestado contra a adesão destes países à NATO, anunciaram os seus ministros dos Negócios Estrangeiros.

- A Rússia vai suspender as entregas de eletricidade à Finlândia a partir de sábado, devido a contas não pagas, anunciou o fornecedor RAO Nordic Oy, que detém a empresa russa InterRAO.

- O primeiro-ministro, António Costa, vai visitar o contingente português em missão na Roménia no âmbito da NATO, entre quarta e quinta-feira, deslocando-se depois a um centro de acolhimento de refugiados ucranianos na Polónia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG