Conflito

O mistério da fuga da Coreia do Sul para a Coreia do Norte

O mistério da fuga da Coreia do Sul para a Coreia do Norte

Ainda não são conhecidos os motivos que levaram uma pessoa, ainda não identificada, a atravessar a fronteira que divide as duas coreias no dia de Ano Novo.

O sistema de vigilância da Zona Desmilitarizada que divide a península coreana identificou a entrada de alguém na Coreia do Norte e nem o controlo apertado na fronteira foi suficiente para impedir a fuga. "Lançámos uma missão para capturar a pessoa na Zona Desmilitarizada, mas, devido às condições geográficas, incluindo o terreno montanhoso, falhamos essa tentativa", disse à agência de notícia sul-coreana Yonhap um oficial do exército.

O alerta foi emitido pelas autoridades militares sul-coreanas, que acreditam tratar-se de um "desertor do Norte", ou seja alguém que já havia fugido da Coreia do Norte. O indivíduo entrou na Coreia do Norte por volta das 22.40 horas locais e até ao momento o seu paradeiro ainda não é conhecido. Perante o sucedido, o líder da Coreia do Sul enviou a Pyongyang um pedido de proteção e segurança para a pessoa que cruzou a fronteira. Contudo, o líder da Coreia do Norte não deu resposta.

Recuando na história, é possível identificar os casos raros de deserções do Sul para Norte. No entanto, desde o final da década de 1990, que mais de 33 mil pessoas abandonaram a Coreia do Norte rumo à Coreia do Sul em busca de melhores condições de vida, fugindo assim à pobreza e à repressão do país liderada na última década por Kim Jong-un. Suspeita-se que muitas tenham regressado por não se adaptarem ao estilo de vida, sendo o destino de tantas outras ainda desconhecido.

Recorde-se que, em setembro de 2020, o oficial sul-coreano Lee Dae-jun se lançou às águas junto à costa norte-coreana, tendo sido descoberto por militares, interrogado e morto a tiro. O corpo do homem de 47 anos foi mergulhado em combustível e queimado por soldados com máscara de gás, ao abrigo das medidas de proteção estabelecidas por Pyongyang para lutar contra o coronavírus.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG