O Jogo ao Vivo

Suécia

Detido autor confesso do ataque em Estocolmo

Detido autor confesso do ataque em Estocolmo

Um homem detido pelas autoridade suecas confessou ser o autor do ataque desta sexta-feira em Estocolmo, que resultou em, pelo menos, quatro mortes.

Pouco depois de roubar o camião a um distribuidor de bebidas, o atacante avançou com o veículo sobre os peões, cerca das 13 horas locais (14 horas em Portugal continental), ao longo da rua reservada para as pessoas mais frequentada da capital, Drottninggatan, tendo atropelado várias pessoas até embater com violência na fachada do centro comercial Âhléns, na Rua da Rainha.

Testemunhas relatam que se viveram momentos de pânico, com centenas de pessoas a correr na direção oposta ao local onde o camião embateu. Ao final da tarde, a polícia confirmou que o ataque matou quatro pessoas.

"Virei-me e vi um camião grande a vir na minha direção. Guinava de um lado para o outro, mas não parecia descontrolado, estava a tentar acertar nas pessoas", contou à Reuters Glen Foran, uma turista australiana.

O caso está a ser tratado pela polícia como um ataque terrorista, ainda que não haja confirmação sem margem para dúvidas. O mesmo disse o primeiro-ministro sueco, Stefan Lofven, que numa breve conferência de imprensa pouco depois do sucedido afirmou que tudo apontava para um atentado terrorista. "A Suécia foi atacada", resumiu.

Suspeito confessa envolvimento no ataque

Segundo relata a imprensa local, o camião de distribuição de cerveja foi roubado, pouco antes do ataque, quando fazia uma entrega num restaurante. A empresa proprietária do veículo, a Spendrups, afirma que o motorista saiu ileso do incidente, apesar de ter tentado resistir ao assaltante.

Depois de as autoridades terem divulgado, em conferência de imprensa, imagens de uma "pessoa de interesse" para a investigação, um suspeito foi detido. Segundo o jornal sueco "Aftonbladet", o homem terá confessado envolvimento no caso.

Citando fontes não identificadas, o jornal adianta que o homem tinha algumas escoriações. Desconhece-se se é o mesmo homem cuja imagem foi divulgada pela polícia.