Barack Obama

Obama compromete-se a novos esforços para fechar Guantanamo

Obama compromete-se a novos esforços para fechar Guantanamo

O presidente norte-americano, Barack Obama, comprometeu-se a fazer um novo esforço para encerrar a prisão militar de Guantanamo, onde aumentam os casos de greve de fome entre os reclusos ali detidos por suspeitas de terrorismo.

Numa conferência de imprensa na Casa Branca, Obama chamou a Guantanamo uma "terra de ninguém" legal e afirmou não querer que algum recluso morra à fome, apelando ao Congresso norte-americano para o ajudar a encontrar uma solução a longo prazo que permita continuar a perseguir os suspeitos de terrorismo com a prisão fechada.

"Continuo a acreditar que temos que fechar Guantanamo. Penso que é essencial para nós perceber que Guantanamo não é precisa para manter a América segura", declarou o chefe de Estado norte-americano.

Obama argumentou que a prisão "é cara, é ineficaz" e prejudica a reputação internacional dos Estados Unidos, afetando a colaboração com os seus aliados nos esforços contra o terrorismo e agindo como "ferramenta de recrutamento para extremistas".

Uma greve de fome que se espalhou a uma centena de reclusos voltou a pôr a prisão de Guantanamo debaixo de escrutínio, com os presos a protestarem contra a sua detenção sem acusação formal ou julgamento.

Entre 166 reclusos detidos na base naval, localizada no sudeste de Cuba, 100 estão em greve de fome, segundo a última contagem feita pelas autoridades militares. Desses, 21 estão a ser alimentados à força com tubos nasais.

O presidente Obama, que em 2008 prometeu fechar a prisão criada pelo seu antecessor, George W. Bush, defende que os combatentes inimigos devem ser acusados em tribunais civis e os que forem absolvidos devem ser repatriados.

"Vou voltar a defender perante o Congresso que isto não é do interesse do povo americano e não é sustentável", assegurou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG