Violência

Oitenta pessoas transexuais foram assassinadas no Brasil no primeiro semestre

Oitenta pessoas transexuais foram assassinadas no Brasil no primeiro semestre

Oitenta pessoas transexuais foram assassinadas no Brasil, no primeiro semestre deste ano, divulgou esta quarta-feira a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra).

Ao todo, a Antra registou a morte de 89 transexuais de janeiro a junho no país, dado que inclui nove suicídios.

Aconteceram ainda 33 tentativas de homicídio e 27 violações de direitos humanos.

No primeiro semestre do ano, a associação registou o assassínio de 78 travestis e mulheres transexuais e 2 transexuais masculinos.

A média de assassínios desta população no primeiro semestre no levantamento que engloba dados de 2017, 2018, 2019, 2020 e 2021, é de 84 casos, com cerca de 14 casos por mês.

"Em 2021 tivemos, até ao momento, uma média de 13,3 casos por mês, o que chama atenção pela proximidade com a média móvel e exige atenção durante o decorrer do ano", destacou a Antra.

A organização frisou, porém, que esta redução não significa que a situação em todos os meses seja de declínio constante.

PUB

"Em maio e junho observamos números de até 5 pontos acima da média, e com relação aos estados, seguimos a mesma lógica: São Paulo, Ceará e Bahia, Minas gerais e Rio de Janeiro e Paraná, são os estados com o maior número de casos, e temos observado com muita atenção uma onda de ataques transfóbicos em Pernambuco durante o mês de junho", informou o relatório.

Além disso, a Antra informou que denúncias sobre casos de violências contra pessoas transexuais têm-se intensificado no Brasil com uma maior veiculação de notícias nos mais diversos meios de comunicação social.

Outro dado relevante diz respeito a crimes cometidos contra vítimas cada vez mais jovens.

Entre pessoas onde foi possível identificar a idade em 2021, apenas 12 (cerca de 15%) conseguiram ultrapassar a estimativa média de vida dos transexuais no Brasil, que é de 35 anos. As demais estavam na faixa de 13 a 35 anos.

"Já nos primeiros dias do ano, deparámo-nos com o assassínio brutal de uma adolescente transexual de 13 anos, no interior do Ceará -- tornando-se a mais jovem vítima do 'transfeminicídio' do país. E chama a atenção que o seu algoz também era um menor de idade. E ao longo do semestre vimos repetir em forma e intensidade, a crueldade com que esses casos têm acontecido", destacou o relatório da Antra.

A organização informou ainda que a maioria das vítimas expressava publicamente o género feminino, sendo travestis e mulheres transexuais, e da raça negra.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG