Saúde

OMS junta-se à Google para travar informações falsas sobre o coronavírus

OMS junta-se à Google para travar informações falsas sobre o coronavírus

A Organização Mundial da Saúde quer travar as informações falsas sobre o surto do novo coronavírus e está a trabalhar com a Google para tentar garantir destaque a informações factuais e fidedignas.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus garantiu que vai "lutar contra a disseminação de rumores e de desinformação" em relação ao surto do coronavírus, que já provocou 162 mortos na China. "Trabalhamos com a Google para tentar garantir que as pessoas que procuram informação sobre o coronavírus vejam as informações da OMS nos seus resultados de pesquisa", adiantou.

O responsável máximo da OMS indicou ainda que plataformas e redes sociais como Twitter, Facebook e Tiktok também tomaram medidas para "limitar a disseminação da desinformação".

No domingo, a OMS indicou, no seu boletim diário sobre a nova epidemia por coronavírus, que o surto está a ser rodeado por informação falsa ou imprecisa.

Equipas da OMS estão a trabalhar "24 horas por dia para identificar rumores mais comuns sobre o novo coronavírus", como publicação de falsos conselhos na internet associados a substâncias, tratamentos ou fármacos que devem ser tomados. No Facebook, a OMS tem publicado diariamente factos e desmistificações sobre o coronavírus. Na sexta-feira, avisou que as vacinas contra a pneumonia atualmente existentes não protegem contra o novo coronavírus e que uma vacina ou medicamento específico ainda não existe.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG