zika

Crescimento "explosivo" do vírus zika preocupa OMS

Crescimento "explosivo" do vírus zika preocupa OMS

A Organização Mundial de Saúde está "muito preocupada" com a "propagação explosiva" do vírus zika e convocou uma comissão de emergência para determinar se o surto constitui uma emergência sanitária de alcance internacional.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) vai convocar uma comissão de emergência sobre vírus, para dia 1 de fevereiro, anunciou a diretora-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), Margaret Chan, esta quinta-feira.

A epidemia de zika está "a propagar-se de forma explosiva" no continente americano, afirmou Chan. "Foram registados casos em 23 países e territórios da região. O nível de alerta é extremamente elevado", acrescentou.

"O aparecimento do vírus em alguns casos foi associado ao nascimento de bebés com cabeças anormalmente pequenas (microcefalia)", frisou. A aumentar as preocupações da OMS está também "a falta de imunidade entre a população residente nas regiões recentemente infetadas" e "a ausência de vacinas, tratamentos específicos e exames de diagnóstico rápidos".

A OMS dedicou uma sessão do seu conselho executivo, que está a decorrer esta semana em Genebra, ao surto do vírus zika.

A situação mais grave é a do Brasil, onde o ministério da Saúde estima a ocorrência de entre 497593 e 1482701 casos em 2015, incluindo 3893 casos de microcefalia.

A Colômbia é o segundo país mais atingido, tendo sido confirmados 13808 casos, incluindo em 890 grávidas, e 2611 casos suspeitos.

"A situação decorrente do '"El Niño" (fenómeno climático particularmente poderoso desde 2015) deverá aumentar este ano o número de mosquitos", sublinhou a diretora-geral da OMS.

Tal como a febre de dengue e o vírus chikungunya, o vírus zika retira o nome de uma floresta no Uganda, onde foi sinalizado pela primeira vez em 1947.

O vírus zika é transmitido aos seres humanos por picada de mosquitos infetados e está associado a complicações neurológicas e malformações em fetos. Não se transmite de pessoa para pessoa.

A Direção-Geral da Saúde (DGS) indica que "os sintomas e sinais clínicos da doença são, em regra, ligeiros: febre, erupções cutâneas, dores nas articulações, conjuntivite, dores de cabeça e musculares".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG