Mundo

Operação de detenção de suspeito do massacre durou 20 minutos

Operação de detenção de suspeito do massacre durou 20 minutos

O suspeito dos ataques de sexta-feira, que provocaram a morte de mais de 90 pessoas, será apresentado na segunda-feira a um juiz para decidir sobre a prisão preventiva, informou, este domingo, a polícia norueguesa. De acordo com as autoridades, a detenção do suspeito durou apenas 20 minutos.

"O suspeito será apresentado amanhã perante um tribunal para decidir a prisão preventiva", afirmou o comissário Sveinung Sponheim, da polícia de Oslo, durante uma conferência de imprensa.

De acordo com a legislação norueguesa, o juiz pode decidir a prisão preventiva por um máximo de quatro semanas, que pode ser renovada numa nova audiência no final desse período. Actualmente, Anders Breivik Behring tem o estatuto de suspeito.

Questionado sobre se a audiência de segunda-feira será aberta ao público ou não, Sveinung Sponheim respondeu que essa decisão caberá ao juiz. A polícia disse ainda que não são conhecidos os motivos da atitude de Anders Breivik Behring, que já admitiu os factos alegados contra si.

Detenção rápida

A operação de detenção de Behring durou apenas 20 minutos. As autoridades norueguesas revelaram que a operação começou às 18.09 horas de sexta-feira, com a chegada das forças especiais à ilha de Utoya, e terminou às 18.27, com a detenção do suspeito que, na altura em que foi abordado pelas autoridades, ainda tinha consigo muitas munições.

Em conferência de imprensa, a polícia revelou ainda que havia um agente a vigiar a ilha antes do ataque, mas que não sabe onde ele estava no momento do massacre, revela o jornal "El Pais", que cita a agência Europa Press.

Na sexta-feira, a explosão de uma bomba no centro governamental de Oslo e um tiroteio num campo de férias organizado pelo Partido Trabalhista, numa ilha a 40 quilómetros da capital da Noruega, provocaram 93 mortos, segundo os últimos números divulgados pela polícia.

A polícia supõe que Behring agiu sozinho, tal como o próprio alega, mas não descarta a existência de cúmplices.