Mundo

Oposição diz que iniciativa russa "é manobra política"

Oposição diz que iniciativa russa "é manobra política"

A oposição síria considerou, esta terça-feira, "uma manobra política" a iniciativa russa de colocar sob controlo internacional o arsenal químico para evitar ataques ocidentais ao país, e voltou a exigir uma "retaliação" contra o regime de Bashar al-Assad.

"O último apelo do (chefe da diplomacia russa) Lavrov é uma manobra política que se inscreve no quadro dos adiamentos inúteis, que só trarão mais mortos e destruição para o povo sírio", refere a Coligação da Oposição Síria num comunicado divulgado na noite de segunda para terça-feira.

Serguei Lavrov apelou na segunda-feira à Síria para que coloque sob controlo internacional o seu arsenal químico para de seguida ser destruído.

O Presidente norte-americano, Barack Obama, considerou a iniciativa russa "um avanço importante" e o secretário de Estado John Kerry afirmou que ela poderia impedir os ataques contra o regime sírio.

Segundo a Coligação, "a violação da lei internacional necessita de uma resposta internacional apropriada", um apelo indireto à administração de Barack Obama para que não abandone o seu plano de ataques contra o regime sírio.

O Congresso norte-americano deve pronunciar-se nos próximos dias sobre uma resolução que autorize o presidente Obama a usar a força contra o regime sírio, como retaliação pelo alegado ataque químico ocorrido a 21 de agosto próximo de Damasco.

"Os autores dos crimes de guerra não podem ser perdoados e os seus crimes contra a Humanidade não podem ser apagados fazendo concessões políticas ou entregando o instrumento com que esses crimes foram cometidos", indicou a oposição, numa referência às armas químicas.

O chefe dos rebeldes sírios, Sélim Idriss, acusou, na segunda-feira, o regime de Bashar al-Assad e os seus aliados russos de mentirem, depois de Damasco ter acolhido favoravelmente a iniciativa de Moscovo.

"Apelamos para a realização dos ataques e advertimos a comunidade internacional de que o regime [de Bashar al-Assad] só diz mentiras e que o mentiroso Putin é o seu professor", disse o chefe do Exército Sírio Livre, numa intervenção televisiva.