Mundo

Os nove sinais para reconhecer um jiadista, segundo a França

Os nove sinais para reconhecer um jiadista, segundo a França

Três semanas depois do ataque extremista ao "Charlie Hebdo", a França lançou uma ofensiva online contra a propaganda terrorista do Estado Islâmico e da al-Qaeda.

Quer seja um "reflexo da histeria que tomou conta da França", como diz um ativista contra a islamofobia, citado pelo "Washington Post", ou um esforço justificado para combater o terrorismo dentro das suas próprias fronteiras, o plano contra o terrorismo que vai custar cerca de 750 milhões de euros nos próximos anos que o governo francês lançou não está, como seria esperado, a ter reações consensuais.

No centro da polémica está o site "Stope Djihadisme" ("Parar o jiadismo", em português), que está incluído no orçamento de cerca de 50 milhões de euros destinados a financiar a parte online da acção contra o terrorismo islâmico. A campanha online visa, como explica um responsável francês, "combater a disseminação de mensagens terroristas mostrando a quem demonstra interesse na propaganda jiadista a vil realidade acerca dos grupos terroristas".

O site tenta fazer uso das modernas técnicas multimédia para tentar convencer a sociedade francesa, e em particular os mais jovens, a espalharem a mensagem contra o jiadismo nas redes sociais que, como se sabe, tem sido terreno fértil para o medrar da propaganda orquestrada por organizações terroristas.

O governo francês, que tem anunciado diversas medidas contra o terrorismo islâmico, incluindo o aumento dos quadros dos serviços de segurança, o reforço da vigilância e segurança, e legislação para bloquear, nos motores de busca, resultados relacionados com conteúdos que promovam o terrorismo, decidiu também divulgar um contestado esquema que elenca os sinais de alerta para identificar potenciais jiadistas.

Nove sinais de alerta

Para identificar alguém que poderá estar a entrar no caminho da radicalização, há comportamentos que as famílias e os amigos devem estar particularmente a que se deve estar atento, de acordo com o panfleto digital. São nove os sinais identificados pelo guia definido pelo governo francês. Se alguns eram mais expectáveis de serem referidos, como visitar sites extremistas ou contactar, via redes sociais, com material radical, e cortar o contacto com os amigos e passar a considerá-los como sendo "impuros", outros são menos óbvios: abandonar a escola; parar de fazer desporto; rejeitar a família; deixar de ouvir música; mudar de estilo de vestir; mudar os hábitos alimentares; deixar de ver televisão e de ir ao cinema.

Naturalmente que, como é costume nestas campanhas, o guia acrescenta que "cada caso é um caso" e que se alguém exibir um ou mais alguns destes comportamentos "não significa automaticamente uma radicalização".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG