Pandemia

Os países que já estão a vacinar crianças contra a covid-19

Os países que já estão a vacinar crianças contra a covid-19

O ressurgimento em força de novos contágios de covid-19, associado a um aumento dos internados e óbitos, está a levar Governos de todo o mundo a expandirem os programas de vacinação, de forma a incluírem faixas etárias mais novas.

Numa altura em que o tema continua a dividir opiniões em Portugal, a Agência Europeia do Medicamento (EMA) acaba de aprovar a utilização de uma vacina em menores de 12 anos e a Organização Mundial da Saúde reconhece vantagens na vacinação de crianças, embora reconheça que deva ser dada prioridade aos grupos de risco. A lista de países que segue esse caminho vai ficando cada vez mais extensa.

PUB

União Europeia e Portugal

O regulador europeu dos medicamentos aprovou, esta quinta-feira, a utilização da vacina da Pfizer/BioNTech's em crianças entre os cinco e os 11 anos. A diferença face aos maiores de 12 anos está na dosagem, que é três vezes inferior (de 10 microgramas, contra os 30 microgramas nos adolescentes). Cabe agora à Comissão Europeia dar seguimento ao processo. "Da nossa parte, a Comissão trabalhará muito depressa. Assim que recebamos a luz verde da Agência Europeia do Medicamento, a Comissão tem procedimentos ultrarrápidos para a autorização da vacina", assegurou o porta-voz para a Saúde, Stefan de Keersmaecker. Depois de dado esse passo, cada Estado-membro decide por si.

Em Portugal, e a pedido da Direção-Geral da Saúde (DGS), a comunidade científica pediátrica está a trabalhar num parecer sobre a imunização na faixa dos cinco aos 11 anos. A Sociedade Portuguesa de Pediatria antecipou-se à EMA e, na terça-feira, emitiu um parecer favorável à administração da vacina contra a covid-19 nestas crianças. Já a Ordem dos Enfermeiros defendeu hoje que não se deve avançar já com a vacinação das crianças, considerando que a prioridade deve centrar-se nos adultos de "forma mais célere possível". Na Madeira, o secretário regional da Saúde anunciou que o arquipélago estima receber, em dezembro, 7500 doses para começar a vacinar crianças com idades entre os cinco e 11 anos.

França deve regulamentar a vacinação nessa faixa etária no início do próximo ano e já começou a vacinar jovens com mais de 12 anos com o consentimento dos pais. Nos Países Baixos, mais de 60% dos jovens com idade entre os 12 e os 17 anos estão totalmente vacinados, de acordo com dados oficiais consultados pela agência Reuters. E na Alemanha, escreve a rádio alemã "DW", a perspetiva é que crianças com menos de 12 comecem a ser vacinadas a partir do início do próximo ano. A República Checa já encomendou vacinas para 700 mil crianças de cinco a 11 anos e a Hungria começou a vacinar jovens de 16 a 18 em meados de maio. Estónia, Dinamarca, Grécia, Irlanda, Itália, Lituânia, Espanha, Suécia e Finlândia estão a vacinar crianças com 12 anos ou mais.

Resto da Europa

O Reino Unido abriu a vacinação para adolescentes de 12 a 15 anos, mas apenas para uma dose, a menos que façam parte de um grupo vulnerável ou vivam com alguém que seja. A Suíça aprovou a vacinação de crianças de 12 a 15 anos com a vacina da Pfizer em junho e fez o mesmo com a vacina de Moderna dois meses depois. A Noruega começou a administrar uma dose de Pfizer/BioNTech a crianças de 12 a 15 anos em setembro.

Médio Oriente e África

A Jordânia e a África do Sul estão a vacinar menores com 12 anos ou mais. Esta semana, Israel começou a administrar, a crianças entre cinco e 11 anos, a vacina da Pfizer, que os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein aprovaram para uso de emergência para a mesma faixa etária. Este último país aprovou ainda a vacina Sinopharm para crianças dos 3 aos 11 anos.

Ásia-Pacífico

A China aprovou duas vacinas (Sinopharm e Sinovac) para utilização em crianças a partir dos três anos (a província de Zhejiang estima terminar de vacinar crianças de 3 a 11 anos até dezembro). Já a Índia aprovou a vacina da farmacêutica Cadila para uso de emergência em crianças a partir dos 12 anos, mas a medida ainda aguarda implementação. E, este mês, Hong Kong reduziu o limite de idade para a vacina de Sinovac para três anos.

A Pfizer solicitou a aprovação do Japão para vacinas para crianças de cinco a 11 anos, enquanto Singapura espera a recomendação para o final de novembro. Coreia do Sul, Filipinas e Austrália estão a vacinar crianças com 12 anos ou mais, com a Austrália a começar a vacinar crianças menores a partir de janeiro.

Também recentemente, a Indonésia autorizou a Sinovac para crianças de seis anos ou mais, a Malásia anunciou a administração da Pfizer em crianças de cinco a 11 anos, e o Vietnam começou a vacinar adolescentes de 16 e 17 anos.

América

Quase 10% das crianças norte-americanas com idade entre cinco e 11 anos já receberam a primeira dose da vacina. Por sua vez, o Canadá também já autorizou, este mês, a substância da Pfizer para crianças dessa faixa etária, dias depois de o México ter anunciado que começaria a vacinar adolescentes de 15 anos.

A Venezuela está a vacinar crianças de dois a 11 anos com a vacina cubana Soberana 2 e a Colômbia autorizou vacinas da Pfizer, AstraZenenca, Moderna, Sinopharm e Janssen para maiores de 12 anos, enquanto o vizinho Equador está a inocular crianças de seis anos com a vacina de Sinovac.

Rumando ao Brasil, o órgão regulador da saúde fez saber, no final de outubro, que seus cinco diretores receberam ameaças de morte por causa da possível aprovação de vacinas para crianças com mais de cinco anos, depois de ter aprovado a vacina da Pfizer para adolescentes de 12 anos em junho.

A Argentina está a vacinar crianças de até três anos com a vacina da Sinopharm, enquanto o Chile e El Salvador começaram a vacinar crianças de seis a 11 anos em setembro. A Costa Rica tornou a vacinação obrigatória para crianças a partir dos cinco anos.

Cuba, que está a administrar vacinas a crianças a partir dos dois anos, pretende vacinar totalmente 90% da população até dezembro.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG