Sismo

Os portugueses que estão a fazer a diferença no Nepal

Os portugueses que estão a fazer a diferença no Nepal

Pedro Queirós e Lourenço Macedo Santos viveram esta terça-feira o segundo sismo no Nepal. No dia 25 de abril eram simples turistas quando um violento terramoto tirou a vida a mais de oito mil pessoas. Hoje, continuam a ajudar a população distribuindo milhares de quilos de comida e de litros de água.

"A terra tremeu de novo durante algum tempo. A BBC está a falar em 7.4. Estamos bem e seguros no Hotel Dwarikas, o nosso quartel general. Já conhecemos os procedimentos". Assim escrevia, ao início desta manhã, na sua página de Facebook, Pedro Queirós.

O português andava de férias com o amigo Lourenço Macedo Santos, quando, a 25 de abril, um violento sismo sacudiu o Nepal. Decidiram ficar, ajudar, fazer a diferença. Outros portugueses juntaram-se à missão. Uns permanecem no terreno, outros tiveram que retomar as suas vidas profissionais. São cinco: o Pedro e o Lourenço, a Ana Dias, o José Batalha e a Ana Almeida. E estão todos bem.

Esta terça-feira tinham destinado o dia para montar a operação de amanhã: distribuir packs a 800 famílias num local remoto, mais de dez mil toneladas de mantimentos. Estavam no hotel, em Katmandu, quando um novo sismo abalou o Nepal. "Outra réplica, grande, sentiu-se na Índia. Estávamos dentro do quarto e corremos o mais rápido possível para a rua", escrevia Lourenço na sua página de Facebook.

Nos seus registos contam que não há eletricidade, pedem que não enviem mensagens para não ficarem sem bateria, dizem que estão a "perceber os próximos passos". E passos grandes deram já aqueles portugueses no teto do Mundo. Nos seus diários no Facebook, Pedro conta que, ao oitavo dia de missão, tinham sido já distribuídos 13350 quilogramas de arroz, 70 quilos de leite em pó, 9604 pacotes de bolachas, 2410 litros de água, 50 tendas, entre outros, num total gasto de 10.302 euros.

Hoje, cumprem o 14.º dia. De uma missão que pôs os nepalases de cartazes na mão onde se pode ver a bandeira nacional e ler: "Obrigado Portugal". Atualmente, trabalham em conjunto com a Bpw Nepal - Business and Professional Women do Nepal. "Não param. E são elas que arranjam os voluntários todos. E tratam-me a mim e ao Lourenço como filhos", contava Pedro Queirós no passado dia 5.

Criaram uma conta para quem quiser e puder ajudar: NIB 003300000098021915378. E todos, dos vários cantos do Mundo, têm sido generosos, garantem. "Obrigada Portugal. Nós também somos Nepal". E, a ver pelas mensagens que lhes são deixadas nas páginas de Facebook, os portugueses dizem: Obrigado Pedro e Lourenço.