O Jogo ao Vivo

Protesto

Palestinianos vão deixar de colaborar com a CIA

Palestinianos vão deixar de colaborar com a CIA

Os serviços de segurança palestinianos vão deixar de partilhar informações com a Agência Central de Informação (CIA) norte-americana em protesto contra uma eventual anexação por Israel de partes da Cisjordânia.

"A Agência Central de Informação norte-americana foi notificada há 48 horas que o acordo com ela já não está em vigor", declarou o principal negociador dos palestinianos, Saeb Erakat, numa videoconferência com alguns jornalistas.

"Acabou-se a cooperação securitária com os Estados Unidos, acabou-se a cooperação securitária com Israel", adiantou o alto responsável palestiniano.

A Autoridade Palestiniana, dirigida por Mahmud Abbas, suspendeu os contactos com a administração do presidente norte-americano Donald Trump em 2017, quando este reconheceu Jerusalém como capital de Israel. Mas algumas relações não políticas mantiveram-se, como a coordenação entre os serviços secretos palestinianos e a CIA.

Segundo analistas, a cooperação dizia respeito a grupos armados palestinianos, como o Hamas, ou a combatentes locais suscetíveis de ligações a grupos jiadistas como o Estado Islâmico.

Questionado pelos jornalistas, Erakat não deu pormenores sobre o impacto concreto de uma rutura da relação securitária entre a Autoridade Palestiniana e os Estados Unidos.

Contactada pela agência France Presse, a embaixada norte-americana em Jerusalém recusou comentar as declarações de Erakat, que se seguem às de Abbas, na terça-feira, ameaçando acabar com a cooperação securitária com Israel.

Os palestinianos chamam assim a atenção para o plano da administração Trump que prevê a anexação por Israel do vale do Jordão (terras agrícolas que representam 30% da Cisjordânia) e dos colonatos no território palestiniano.

O novo Governo israelita, que tomou posse no domingo, deve pronunciar-se a partir de 1 de julho sobre a aplicação do plano para resolver o conflito israelo-palestiniano, que Donald Trump apresentou em janeiro.

Outras Notícias