Angola

Angola tornou-se no maior cliente de Portugal fora da Europa

Angola tornou-se no maior cliente de Portugal fora da Europa

Na última década, Angola transformou-se num dos principais parceiros comerciais de Portugal, sendo atualmente o maior destino das exportações portuguesas fora da Europa, e o maior fornecedor de petróleo.

Segundo dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), no primeiro semestre deste ano Angola foi o quarto principal destino das exportações de Portugal (os três primeiros são da zona euro - Espanha, Alemanha e França): Portugal vendeu 1.312 milhões de euros ao país africano.

Angola foi também o sétimo principal fornecedor de Portugal nos primeiros seis meses de 2012, e o maior fora da União Europeia: bens no valor de 855 milhões de euros. Estas importações são quase exclusivamente de petróleo -- Angola é atualmente o principal fornecedor de 'crude' de Portugal.

Este panorama é um desenvolvimento recente. Em 1993, as exportações de Portugal para Angola eram relativamente reduzidas: 2,1 por cento do total. Angola era o 12.º maior cliente português, atrás de países como a Suécia ou a Dinamarca.

Em 2003, Angola já era o oitavo maior cliente, mas a sua quota nas exportações portuguesas era pouco maior: 2,2 por cento. No primeiro semestre deste ano, a quota angolana ascendia a 5,7 por cento do total.

A disparidade é ainda mais notória do lado das importações. Em 1993, antes de Angola se tornar uma potência dos hidrocarbonetos, as vendas de produtos angolanos para Portugal eram irrisórias: 4,8 milhões de euros. Angola era então o 86.º maior parceiro comercial de Portugal. Ficava atrás até de outros países africanos com os quais Portugal tem comparativamente poucos laços culturais ou políticos, como Madagáscar, o Burkina Faso ou o Uganda.

Apesar de algumas oscilações, em 2003 os números das importações eram ainda mais ínfimos: Portugal importou 2,4 milhões de bens angolanos, fazendo de Angola o seu 117.º parceiro. A situação só se inverteu a partir de 2007, com o começo de uma subida sustentada nos dois fluxos comerciais.

Em 2011, Angola foi mesmo o país com quem Portugal registou o maior excedente comercial. No ano passado, o saldo da balança comercial de bens entre Portugal e Angola foi positivo em 1.159 milhões de euros (no primeiro semestre deste ano, o excedente chegou aos 456 milhões de euros, sendo inferior apenas ao registado com a França).

O Governo português define atualmente as exportações como o principal motor para o crescimento económico. Perante a crise europeia, que está a levar à retração da procura nos parceiros tradicionais da zona euro, as empresas portuguesas veem-se obrigadas a procurar por mercados extracomunitários - particularmente Angola.

Ainda segundo os números do INE, no ano passado as exportações de Portugal para Angola cresceram 22 por cento.

Todos estes dados referem-se a valores nominais (ou seja, que não estão corrigidos para a inflação ou para efeitos cambiais). Os dados do INE não incluem serviços, mas apenas bens.

Outras Notícias