Mundo

Força de Reação Imediata portuguesa partiu para a Guiné-Bissau

Força de Reação Imediata portuguesa partiu para a Guiné-Bissau

A Força de Reação Imediata das Forças Armadas portuguesas, composta por uma fragata, uma corveta e um avião P-3 Orion, partiu início da tarde deste domingo para Cabo Verde, com a missão de resgatar portugueses que se encontrem em perigo na Guiné-Bissau, soube o JN.

O Ministério da Defesa confirmou a informação.

O primeiro meio a sair foi o avião P-3 Orion, da Força Aérea, que descolou da Base Aérea de Beja. Será o primeiro meio militar a chegar ao teatro das operações. O P-3 Orion é uma aeronave de patrulhamento marítimo, mas cuja tecnologia lhe dá capacidade para agir como avião espião, com possibilidade de detetar e identificar qualquer ameaça de superfície.

Às 16 horas saiu também uma fragata da classe Vasco da Gama, a corveta "António Enes" e o reabastecedor "Berrio". Este navio, embora não seja de combate, tem capacidade para abastecer uma força naval e terrestre com combustível, água, alimentos e munições. Na prática, este navio permite aumentar a autonomia de uma força e mantê-la durante mais tempo.

Há ainda um avião de transporte tático C-130 H, na base do Montijo. Está preparado para transportar pelo menos 60 paraquedistas e operações especiais.

Fonte oficial do Ministério da Defesa afirmou à Lusa que "o objetivo desta decisão é ficarmos mais próximos da Guiné-Bissau caso venha a ser necessário proceder a uma missão de evacuação de cidadãos portugueses e de pessoas de outras nacionalidades", referiu esta fonte.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG