Angola

IURD assume despesas com vítimas do incidente no "Dia do Fim"

IURD assume despesas com vítimas do incidente no "Dia do Fim"

A Igreja Universal do Reino de Deus anunciou, esta quarta-feira, em Luanda, que assume todas as despesas relacionadas com as vítimas do incidente do "Dia do Fim", no dia 31, que provocou mais de uma dezena de mortos.

O anúncio foi feito pelo bispo Felner Batalha, numa conferência de imprensa sobre o incidente ocorrido na cerimónia de passagem de ano promovida por aquela confissão religiosa.

O número de vítimas varia consoante a fonte, com a IURD a falar em 12, enquanto o diário estatal "Jornal de Angola" escreveu esta quarta-feira que o número de mortos tinha subido para 16, e o Governo Provincial de Luanda, citado pela agência Angop, fixou aquele número em 13. O número de feridos é sempre igual: 120.

"A Igreja já começou a apoiar as famílias das vítimas. Está a fazê-lo e vai continuar até ao último momento. Assumimos, vamos dizer, todas as despesas do óbito e o principal apoio é o moral", disse o bispo Felner Batalha.

"Para as pessoas saberem que a Igreja não virou as costas para eles, está com eles. Para estas famílias, o mais importante é saber que a Igreja, a direção da Igreja está a sentir a dor deles", acrescentou.

O bispo Felner Batalha, que tinha ao lado o bispo José Augusto Dias, principal responsável da IURD em Angola, foi apresentado no encontro com a imprensa como porta-voz da Comissão de Apoio às Vítimas, criada pela IURD.

A cerimónia da IURD, designada "Vigília da Virada - Dia do Fim", decorreu no Estádio Nacional da Cidadela Desportiva, que tem capacidade para 70 mil pessoas, mas o evento, quando ocorreu o desastre, tinha concentrados no local cerca de 250 mil.

Reconhecendo que a Igreja "está sob uma pressão muito grande", Felner Batalha reafirmou que a IURD garantiu todos os mecanismos de salvaguarda para a concentração de muitos populares, mas escusou-se a comentar sobre as razões da tragédia.

"São as normas internacionais: quando a capacidade do recinto já não dá mais, é levar as pessoas para onde previamente está indicado. Foi feito", frisou.

Segundo Felner Batalha, além das 70 mil pessoas esperadas para o culto, e que representam a lotação do Estádio da Cidadela, a IURD criou duas zonas, atrás das duas balizas, com espaço para mais 30 mil pessoas cada.

Entretanto, o Governo Provincial de Luanda anunciou também hoje a criação de uma comissão multissetorial de apoio às vítimas.

As comissões do GPL e da IURD deverão reunir ainda esta quarta-feira, segundo disse à Lusa fonte daquela confissão religiosa.

Segundo informações dos hospitais em Luanda que receberam as vítimas, as mortes terão ocorrido por esmagamento e asfixia.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG