Saúde

Pandemia agravou problema do excesso de peso das crianças na América Latina

Pandemia agravou problema do excesso de peso das crianças na América Latina

Um terço das crianças e adolescentes sofrem de excesso de peso na América Latina e Caraíbas, onde a pandemia de covid-19 agravou o acesso a uma dieta saudável, alertou a ONU.

"Nos últimos anos, há cada vez mais crianças e adolescentes com excesso de peso na América Latina e Caraíbas", afirmou o Fundo da ONU para a Infância (Unicef), em comunicado.

"Atualmente, estima-se que pelo menos três em cada dez crianças" entre os 5 e os 19 anos "estão acima do peso na região", acrescentou a Unicef, que na América Latina e Caraíbas tem sede no Panamá.

As principais causas da obesidade infantil são a falta de atividade física e o consumo de alimentos processados e bebidas açucaradas, de fácil acesso e baixo custo, promovidos por intensas campanhas de marketing, sublinha.

A agência da ONU alertou ainda que o problema do excesso de peso infantil se agravou durante a pandemia, com o acesso limitado a alimentos saudáveis e a diminuição do poder de compra.

"Durante estes 18 meses de pandemia, foi muito mais difícil para as famílias garantir o acesso a uma alimentação saudável", afirmou o diretor da agência na região, Jean Gough.

PUB

O responsável frisou que a crise sanitária levou a uma "perda de rendimentos" das famílias e ao aumento "dos preços dos alimentos".

"Além disso, com o encerramento das escolas, muitas crianças deixaram de receber refeições escolares, e as possibilidades e espaços para praticar atividades físicas foram limitados", acrescentou.

A Unicef pediu aos países da região para reforçarem a legislação de modo a garantir a qualidade dos alimentos, tanto em casa como nas escolas, e promoverem programas de alimentação escolar, acesso a uma dieta saudável e atividade física.

"Antes da covid-19, prevenir a obesidade era essencial, e agora é mais urgente do que nunca", sublinhou.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG