EUA

Papa Francisco "de coração partido" após tiroteio no Texas

Papa Francisco "de coração partido" após tiroteio no Texas

O Papa Francisco pediu, esta quarta-feira, que se acabe com a "circulação indiscriminada de armas", na sequência do tiroteio numa escola primária na cidade de Uvalde, no Texas (Estados Unidos), que provocou a morte de 22 pessoas.

Num apelo feito no final da audiência semanal, realizada na Praça de São Pedro, no Vaticano, perante milhares de fiéis, Francisco admitiu estar "de coração partido" e disse que ia "rezar pelas crianças e adultos que foram assassinados e pelas suas famílias".

"Chegou o momento de dizer basta à circulação indiscriminada de armas, é preciso empenho de todos para que tragédias como esta nunca mais aconteçam", defendeu.

Pelo menos 22 pessoas morreram, incluindo 19 alunos e dois professores, num tiroteio ocorrido na terça-feira numa escola primária do estado norte-americano do Texas. O atirador, de 18 anos, foi abatido pela polícia e três pessoas estão hospitalizadas em estado grave.

Em declarações divulgadas esta madrugada, a vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, disse "basta" e pediu "coragem para agir" sobre a regulamentação de armas.

"Basta, já é demais. Os nossos corações continuam partidos", salientou Kamala Harris, numa referência aos tiroteios em escolas que se repetem ano após ano nos Estados Unidos.

PUB

O suspeito, residente em Uvalde, entrou na escola com um revólver e possivelmente com uma espingarda e abriu fogo, segundo explicou o governador do Texas, Greg Abbott, que acrescentou que o caso está em investigação.

Num discurso emocionado à nação, ainda realizado na terça-feira, o presidente norte-americano, Joe Biden, pediu ao país para enfrentar o lóbi das armas.

"Outro massacre numa escola primária do Texas. Lindas e inocentes crianças do segundo, terceiro e quarto ano. (...) Como nação, temos que perguntar: Quando, em nome de Deus, vamos enfrentar o lóbi das armas?", questionou Biden na intervenção.

O chefe de Estado norte-americano ordenou que as bandeiras do país fossem colocadas a meia haste devido ao massacre.

Num comunicado, Biden anunciou que tomou essa decisão como uma "demonstração de respeito pelas vítimas dos atos de violência sem sentido perpetrados em 24 de maio de 2022 por um atirador na Robb Elementary School em Uvalde, Texas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG