Mundo

Papa Francisco receia "banho de sangue" na Venezuela

Papa Francisco receia "banho de sangue" na Venezuela

O papa Francisco disse recear "um banho de sangue" na Venezuela, no decurso de uma conferência de imprensa no avião que o transportou para Roma após a visita ao Panamá.

"O que me faz medo? O banho de sangue", respondeu o papa argentino à pergunta de um jornalista sobre a situação na Venezuela. "O problema da violência aterroriza-me", acrescentou.

Jorge Bergoglio também solicitou "elevação para ajudar aqueles que podem contribuir para resolver o problema" nesse país em crise e à beira da guerra civil.

"Sofro pelo que neste momento está em vias de acontecer na Venezuela e por isso gostava que eles chegassem a acordo", apesar ser garantido que um acordo é a melhor solução. O idela seria "uma solução justa e pacífica", afirmou, prescindindo de mais declarações porque, como sublinhou, seria "uma imprudência" neste contexto explosivo.

Na missa do Angelus no domingo na Cidade do Panamá, Francisco tinha já reclamado "uma solução justa e pacífica para ultrapassar a crise [na Venezuela] respeitando os direitos humanos".

A Venezuela atravessa uma das mais graves crises políticas, com o Presidente Nicolas Maduro, que recebeu o apoio das Forças Armadas, a acusar os Estados Unidos de incitar o opositor Juan Guaidó, que se autoproclamou presidente, a efetuar um "golpe de Estado".