Ucrânia

Parlamento da Ucrânia chumba moção de censura ao governo

Parlamento da Ucrânia chumba moção de censura ao governo

O parlamento da Ucrânia chumbou, esta terça-feira, uma moção de censura apresentada por três partidos da oposição contra o governo de Mykola Azarov.

A moção obteve 186 votos e necessitava de 226 para ser aprovada.

Os deputados do partido no poder, o Partido das Regiões, abstiveram-se.

O Partido Comunista apresentou uma outra moção de censura, que será discutida mais tarde. O líder do partido Batkivshina (Pátria), Arseni Iatseniuk, um dos proponentes da moção chumbada, anunciou o seu apoio à moção comunista.

No debate que antecedeu a votação, Azarov prometeu uma remodelação do governo e pediu desculpa pela violência policial na repressão das manifestações que há vários dias contestam a recusa do executivo em assinar um acordo de associação com a União Europeia.

"Posso garantir aos deputados uma coisa: vou tirar conclusões claras do que aconteceu e fazer mudanças sérias no governo", disse Azarov.

"Em nome do governo quero pedir desculpa pela ação das forças de segurança em Maidan (Praça da Independência). O presidente e o governo lamentam-nas profundamente", acrescentou.

PUB

No debate, Azarov recusou as acusações da oposição de que "vendeu" a Ucrânia à Rússia, afirmando que "quem vendeu o país à Rússia foi quem assinou em 2009 os onerosos contratos de gás", referindo-se ao governo da ex-primeira-ministra e dirigente opositora Iulia Timochenko.

Os protestos contra a decisão do governo da Ucrânia de abandonar os planos para um acordo político e comercial com a União Europeia deram origem às maiores manifestações na ex-república soviética desde a Revolução Laranja de 2004.

No domingo, mais de 30 manifestantes ficaram feridos quando a polícia usou gás lacrimogéneo e bastões para dispersar centenas de ucranianos na Praça da Independência, no centro de Kiev.

A repressão policial fez com que mais de 100000 pessoas se dirigissem à praça para se manifestar, um protesto que degenerou em violência.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG