O Jogo ao Vivo

Direitos humanos

Parlamento Europeu quer que homicídio da jornalista de Malta seja discutido em cimeira

Parlamento Europeu quer que homicídio da jornalista de Malta seja discutido em cimeira

O Parlamento Europeu pediu esta quinta-feira aos líderes da União Europeia que discutam no Conselho Europeu a situação em Malta, onde foram reveladas ligações de colaboradores do primeiro-ministro, Joseph Muscat, ao homicídio da jornalista Daphne Caruana Galizia.

O presidente do PE, David Sassoli, enviou uma carta ao presidente do Conselho Europeu, que se reúne esta quinta-feira e sexta-feira em Bruxelas, pedindo que os chefes de Estado e de Governo dos 27 abordarem "logo que seja possível" os últimos desenvolvimentos em Malta, visitada na semana passada por uma missão da assembleia europeia.

Sassoli afirma na carta que a missão do PE, que se reuniu com políticos, responsáveis policiais e judiciais e membros da sociedade civil, encontrou uma situação que exige "ação urgente" e detetou "sérias deficiências e ameaças ao Estado de Direito".

Tais deficiências, escreve, "estão diretamente relacionadas com a integridade da investigação ao assassínio [da jornalista] e a possível interferência política no mesmo".

Keith Schembri, chefe de gabinete e amigo do de Joseph Muscat, foi acusado de ser o mandante do crime, o que suscitou uma grave crise política no país.

A carta de Sassoli cita o presidente da comissão de Liberdades Civis do PE, Juan Fernando López Aguilar, e a chefe do grupo de monitorização da Democracia e Estado de Direito da assembleia europeia, Sophie In't Veld, que apelam aos Estados-membros para "tomarem posição" sobre o assunto.

"Malta é parte da UE e as instituições europeias têm a responsabilidade de assegurar que os valores europeus são cumpridos em todo o território", frisam.

Joseph Muscat, do Partido Trabalhista (PL, centro-esquerda), deve participar na cimeira europeia, uma vez que, embora tenha anunciado a sua demissão do cargo, esta só é efetiva a partir de 12 de janeiro.

Algumas dezenas de manifestantes juntaram-se esta quinta-feira frente à representação de Malta junto da UE para exigir a demissão de Muscat.

Manfred Weber, líder parlamentar do maior grupo político europeu, o Partido Popular Europeu (PPE, centro-direita), afirmou aos jornalistas, à chegada à reunião do PPE prévia ao Conselho Europeu, que Joseph Muscat deve demitir-se imediatamente.

"Para nós, é um enorme escândalo que o primeiro-ministro continue no cargo, sabendo que há óbvias ligações políticas à jornalista assassinada em Malta e sabendo, por outro lado, que o primeiro continua em funções", disse Weber.

"Apoiamos a manifestação [em Bruxelas] e penso que o primeiro-ministro deve demitir-se imediatamente", acrescentou.

Daphne Caruana Galizia, que investigava casos de corrupção na elite política e empresarial do país, foi morta a 16 de outubro de 2017 com um engenho explosivo colocado no seu automóvel em Bidnija, onde vivia.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG