Catalunha

Pedro Sánchez e Quim Torra reúnem-se a 6 de fevereiro em Barcelona

Pedro Sánchez e Quim Torra reúnem-se a 6 de fevereiro em Barcelona

O chefe do Governo espanhol e o presidente independentista da região da Catalunha vão-se reunir a 6 de fevereiro na sede do executivo catalão, em Barcelona.

O anúncio foi feito esta sexta-feira, depois da controvérsia lançada na quinta-feira de manhã, quando o gabinete do chefe do Governo espanhol fez saber a sua intenção de adiar a "mesa de diálogo" sobre a Catalunha.

Esta "mesa" foi a principal condição para que o partido independentista ERC (Esquerda Republicana da Catalunha) apoiasse em meados de janeiro último a recondução do socialista Pedro Sánchez como primeiro-ministro.

O gabinete de Sánchez tinha avançado com o adiamento da reunião para depois das eleições regionais antecipadas anunciadas por Quim Torra, para depois do parlamento regional ter aprovado o orçamento catalão, daqui a cerca de três meses.

Depois das queixas da ERC e de uma reunião entre Sánchez e o líder parlamentar desse movimento separatista no parlamento em Madrid, Gabriel Rufián, o Governo retificou a sua posição na quinta-feira à tarde e mostrou-se novamente disposto a ir para a "mesa de diálogo" antes das novas eleições catalãs, como estava previsto inicialmente.

Segundo a agência Efe, na reunião que vai decorrer na próxima quinta-feira em Barcelona, Torra pretende perguntar a Sánchez em que "condições" e com que "garantias" irá negociar o conflito catalão na "mesa" entre os dois governos, o nacional e o regional.

O líder independentista pretende insistir com Sánchez para que nesta "mesa de negociações" seja possível falar sobre o "exercício do direito à autodeterminação" na Catalunha e uma "amnistia" para os líderes pró-independência condenados pelo Supremo Tribunal e a cumprir penas de prisão.