Colômbia

Queda de avião que transportava equipa de futebol brasileira causa 76 mortos

Queda de avião que transportava equipa de futebol brasileira causa 76 mortos

As autoridades colombianas confirmaram a morte de 76 pessoas, 22 das quais futebolistas da equipa brasileira Chapecoense, na sequência de um acidente aéreo. Há cinco sobreviventes.

As equipas de socorro conseguiram já resgatar 35 corpos do avião charter alugado pelo clube brasileiro Chapecoense, que se despenhou no noroeste da Colômbia, informaram fontes da polícia.

Os corpos recuperados "estão a ser embalados" de acordo com o protocolo requerido para a custódia de cadáveres, com a presença da polícia judiciária, acrescentaram as mesmas fontes, citadas pela agência espanhola EFE.

As equipas de socorro continuam a trabalhar e "esperam que haja mais pessoas vivas", avançaram ainda. Até ao momento, apenas seis pessoas foram encontradas com vida, quatro futebolistas, um jornalista e uma assistente de bordo da companhia aérea Lamia.

Um dos sobreviventes é Alan Ruschel, defesa da equipa brasileira Chapecoense Real, que viajava para disputar a final da Taça Sul-americana com uma equipa colombiana, disse o presidente da agência de aviação civil da Colômbia, Alfredo Bocanegra, citado pela AFP.

O guarda-redes, Danilo Padilha, foi resgatado com vida, mas viria a morrer no hospital. Está a ser homenageado pela defesa que garantiu a presença do Chapecoense na final da prova, no último minuto do jogo da meia-final.

O acidente ocorreu numa zona montanhosa a cerca de 50 quilómetros de Medellin. O Clube Atlético Nacional, adversário do Chapecoense na final da Taça Sul-Americana, manifestou apoio e solidariedade com o rival brasileiro.

O aeroporto de Medellin, num comunicado, refere os seis sobreviventes e acrescenta que o avião, com matrícula da Bolívia, "declarou-se em emergência" às 22 horas locais (3 horas em Portugal continental) "por falhas técnicas", segundo aquilo que transmitiu à torre de controlo.

"A polícia está já no local do acidente, ao qual apenas se pode aceder por via terrestre", havendo "baixa visibilidade" por causa das condições meteorológicas, diz a mesma nota.

O avião tinha saído do aeroporto Viru Viru, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, onde aparentemente tinha feito uma escala técnica.

O presidente da câmara de Medellin, Frederico Gutierrez, disse a uma rádio local que esta "é uma tragédia de grandes proporções".