Conflito

Três mortos e 98 detidos nos protestos de quinta-feira na Colômbia

Três mortos e 98 detidos nos protestos de quinta-feira na Colômbia

Pelo menos três pessoas morreram e outras 98 foram detidas durante os protestos de quinta-feira na Colômbia contra as políticas sociais e económicas do Presidente, Iván Duque, segundo um comunicado hoje divulgado pelo ministério da Defesa.

"Nas últimas horas, as autoridades confirmaram a morte de duas pessoas durante os distúrbios em Buenaventura e outra em Candelaria, municípios de Valle del Cauca", um departamento do oeste do país, anunciou o ministro da Defesa, Carlos Holmes Trujillo.

As duas mortes em Buenaventura ocorreram durante uma tentativa de assalto a um centro comercial da cidade, que tem o principal porto marítimo da Colômbia, não tendo sido especificada a morte em Candelaria.

Cali, a terceira maior cidade da Colômbia, foi o principal foco de incidentes violentos, com assaltos e atos de vandalismo, após os quais o governo da cidade declarou um toque de recolher obrigatório até ao amanhecer de hoje.

Segundo o ministro, cerca de 253.000 pessoas participaram em "622 atividades como marchas, comícios e outro tipo de atividades" em 350 municípios de 31 departamentos colombianos.

Trujillo acrescentou que 98 pessoas foram presas e 207 foram levadas a delegações policiais "para sua proteção".

"No total, 151 membros das forças de segurança - 148 militares e três polícias - ficaram feridos durante o dia de protestos em todo o país. 122 civis também ficaram feridos, apresentando ferimentos leves ou consequências da inalação de gás", concluiu.

"O custo dos danos supera os 20.000 milhões de pesos" (cerca de 5,2 milhões de euros), disse Peñalosa.

No final do protesto, alguns manifestantes mais violentos confrontaram a polícia na Praça de Bolívar e atacaram o Capitólio, o Palácio da Justiça e o Palácio Liévano (sede do governo local) com pedras, tinta e 'cocktails molotov'.

Pelo menos 68 estações do sistema de transporte público TransMilenio foram danificadas com pedras, paus e pinturas, sendo que as reparações irão durar dois dias, segundo as autoridades.

Nas redes sociais, tornaram-se virais imagens nas quais membros do Esquadrão Móvel Anti Distúrbios (ESMAD) da Polícia Nacional atingem uma mulher no rosto e vídeos nos quais mais de cinco polícias agridem um casal numa rua no centro de Bogotá.

Entretanto, o ministro da Defesa anunciou que a Inspeção Geral da Polícia abriu onze inquéritos preliminares em Bogotá, Manizales, Cali e Cartagena por alegações de "possíveis irregularidades na conduta dos membros da Polícia".

Trujillo destacou ainda o trabalho realizado pelas forças de segurança durante os protestos, pois agiram "com a força legítima" e ajudaram a restabelecer a ordem em várias cidades do país.

"As nossas forças de segurança pública continuarão a agir para garantir o exercício pacífico e democrático do direito dos colombianos se manifestarem livremente, tal como corresponde à natureza do regime de liberdade", concluiu.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG