Covid-19

Peritos dos EUA apoiam doses de reforço de vacinas Moderna, Pfizer e Janssen

Peritos dos EUA apoiam doses de reforço de vacinas Moderna, Pfizer e Janssen

Um painel consultivo do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) norte-americano apoiou, esta quinta-feira, a administração de doses de reforço das vacinas da Moderna, Pfizer e Johnson & Johnson (Janssen) contra a covid-19.

De acordo com o CDC, as pessoas podem escolher a vacina de uma farmacêutica diferente para a próxima inoculação. Alguns norte-americanos que receberam vacinas da Pfizer há vários meses já estavam habilitados para realizar um reforço. Agora, os consultores do CDC dizem que as pessoas que foram inoculadas com a Moderna e a Johnson & Johnson também podem receber uma dose reforçada.

A agência norte-americana reguladora de medicamentos (FDA) já havia autorizado a campanha de reforço na quarta-feira, mas o CDC, coordenado pelo seu painel consultivo, tem a palavra final sobre o assunto.

A aprovação da FDA surgiu depois de um comité científico dos Estados Unidos (EUA) ter recomendado na semana passada doses de reforço da Moderna para certos grupos populacionais e da Johnson & Johnson para pessoas com 18 ou mais anos.

Na decisão, a FDA observa que a segunda dose da Johnson & Johnson pode ser dada dois meses após a primeira em pessoas com mais de 18 anos, recomendando o reforço da Moderna seis meses depois da vacinação completa, para determinados grupos.

No caso da Moderna, a agência autoriza a dose para todas as pessoas com mais de 65 anos, bem como para os maiores de 18 anos que corram o risco de sofrer complicações de saúde graves com covid-19 ou com empregos em impliquem exposição à doença. De forma paralela, a FDA permite que a vacina de reforço seja diferente da inicialmente recebida.

Para ilustrar isso, o regulador deu como exemplo o caso de uma pessoa que recebeu a vacina da Johnson & Johnson (dose única), que agora poderia optar por um reforço da Moderna ou da Pfizer -- nesta situação, indica, teria de ser apenas meia dose.

PUB

Por seu turno, as pessoas que receberam duas doses da Pfizer ou Moderna podem escolher a terceira de qualquer uma das duas soluções (se alguém tiver a vacinação da Pfizer completa, deve ser administrada apenas meia dose da Moderna) ou da Johnson & Johnson.

O diretor do centro da FDA para Avaliação e Pesquisa Biológica, Peter Marks, disse esta quinta-feira, citado em comunicado, que vão ser recolhidos dados adicionais sobre os benefícios e riscos do uso de doses de reforço em mais grupos populacionais. Por sua vez, a comissária interina da FDA, Janet Woodcock, lembrou na mesma nota que "a ciência mostrou que a vacinação continua a ser a forma mais segura e eficaz de prevenir a covid-19, incluindo as consequências mais sérias da doença". Em setembro, os EUA aprovaram a dose de reforço da vacina da Pfizer para os mesmos grupos autorizados hoje para a Moderna.

Segundo dados do CDC, mais de 11,2 milhões de pessoas nos EUA receberam uma inoculação de reforço.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG