Londres

Polícia confessa em tribunal rapto e morte de Sarah Everard

Polícia confessa em tribunal rapto e morte de Sarah Everard

O polícia Wayne Couzens admitiu, esta sexta-feira, ter assassinado Sarah Everard após sequestrá-la na rua enquanto voltava para casa no sul de Londres.

A mulher de 33 anos desapareceu a 3 de março e o seu corpo foi encontrado numa floresta perto de Ashford, em Kent, a cerca de 32 quilómetros a oeste da casa de Couzens, sete dias depois. Estava escondido e embrulhado num saco que Couzens comprara dias antes.

Esta sexta-feira, o agente, de 48 anos, declarou-se culpado pelo sequestro e morte de Sarah Everard. De acordo com o "The Guardian", Couzens foi ouvido da prisão de Belmarsh através de uma videoconferência. Questionado se se declarava culpado ou inocente pela acusação de homicídio, o polícia respondeu: "Culpado".

"Declara-se culpado de assassinato?", voltou a interrogar o tribunal. "Sim" respondeu Couzens, mal levantando a cabeça. O agente enfrenta agora uma sentença de prisão perpétua.

O crime

No dia em que atacou Everard, Couzens terminou o trabalho às 7 horas. Em seguida, pegou num carro que havia alugado três dias antes. O polícia avistou a mulher a voltar para casa depois de visitar a casa de um amigo e atacou-a. Everard foi dada como desaparecida pelo namorado no dia seguinte, quando não se encontrou com ele como tinham combinado.

PUB

Couzens foi detido na sua casa em Deal, em Kent, em 9 de março, primeiro sob suspeita de sequestro e, no dia seguinte, sob suspeita do assassinato.

Os resultados da autópsia mostraram que a mulher morreu vítima de compressão no pescoço.

O caso chocou o Reino Unido e lançou o debate sobre a falta de segurança que muitas mulheres sentem quando percorrem as ruas sozinhas à noite. De acordo com números da Organização das Nações Unidas (ONU) no Reino Unido, mais de 70% das mulheres admitem ter sofrido de assédio sexual em espaços públicos.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG