França

Polícia diz que violação de jovem com cassetete "foi acidental"

Polícia diz que violação de jovem com cassetete "foi acidental"

A violação de um jovem com um cassetete durante uma operação policial na quinta-feira passada, em Aulnay-sous-Bois, a norte de Paris, "não foi intencional", de acordo com um relatório preliminar dos investigadores.

A imprensa francesa revelou, esta quinta-feira, que, no relatório preliminar da inspeção-geral da polícia, o jovem de ascendência africana, de 21 anos, foi violentamente agredido durante uma operação contra o tráfico de drogas realizada pela polícia.

O documento destaca no entanto que a violação anal com um cassetete, que levou à hospitalização do jovem, foi "acidental" e não voluntária no âmbito de uma prisão "violenta e forçada".

Este primeiro relatório baseia-se em imagens de videovigilância, em constatações materiais e nos testemunhos dos envolvidos, segundo o canal "BFMTV".

Os quatro oficiais envolvidos na agressão são acusados de violência intencional e um deles também por violação, após o jovem ter sido levado para um hospital e submetido a uma operação.

As conclusões do relatório indicam que o agente deu um forte golpe horizontal na altura das nádegas do jovem com o seu cassetete, mas não tinha intenção de causar ferimentos no ânus.

A reação popular contra essa ação policial levou a distúrbios durante várias noites em diversas localidades da periferia norte de Paris, onde dezenas de pessoas foram detidas.

Esta madrugada, 28 pessoas foram detidas por uso de 'cocktails molotov' e por danos materiais, mas diminuiu o número de incêndios e de ataques às esquadras da polícia.

Em Aulnay-sous-Bois foi limitado o tráfego noturno de autocarros para evitar que sejam atacados.

Em várias cidades foram organizadas manifestações para denunciar a brutalidade policial e para sublinhar o caráter racista da agressão sofrida pelo jovem, tendo também provocado reações na classe política, que pediu a clarificação do caso.

O Presidente François Hollande, que visitou o jovem no hospital na terça-feira, prometeu investigar a fundo o ocorrido e penalizar os responsáveis.

O jovem, que não tem antecedentes criminais, descreveu à imprensa a brutalidade empregada pelos agentes durante a sua detenção, mas também pediu calma aos outros jovens das periferias para evitar mais incidentes.