Síria

Portugal assina declaração conjunta dos EUA e aliados sobre a Síria

Portugal assina declaração conjunta dos EUA e aliados sobre a Síria

Portugal juntou-se, terça-feira, aos Estados que assinaram a declaração sobre a Síria com os EUA em 6 de setembro, que insta a "dar uma forte resposta internacional" ao alegado uso de armas químicas pelo regime de Bashar al-Assad.

A Presidência dos EUA informou, através do seu sítio na internet, que hoje um grupo adicional de oito países adicionais Geórgia, Guatemala, Koweit, Malta, Montenegro, Panamá, Polónia e Portugal - assinaram a declaração conjunta sobre a Síria. O total de assinaturas subiu para 33.

O Presidente norte-americano, Barack Obama, tinha marcada para as 21 horas (2 da madrugada de quarta-feira, em Portugal continental) um discurso na televisão sobre as perspetivas dos EUA quanto à situação na Síria.

Horas antes, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, apelara ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, para que "aproveite verdadeiramente a oportunidade de procurar fazer a paz" no seu país.

Exprimindo-se imediatamente a seguir ao anúncio da vontade da Síria assinar a convenção internacional que interdita as armas químicas, Kerry disse esperar que o regime de Damasco cumpra a sua palavra de que "ajudaria [os EUA] nos próximos dias a trabalhar com a Rússia para encontrar os meios de colocar as suas armas químicas sob controlo internacional".

Por outro lado, a França manifestou-se disposta a alterar a sua proposta de resolução, a apresentar ao Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas, onde requer que a Síria abandone o seu arsenal químico ou enfrente uma ação militar.

A vontade francesa, expressa pelo porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, segue-se à rejeição pela Federação Russa do texto inicial.

"É espantoso que os russos tenham rejeitado um documento que nem sequer viram", adiantou Philippe Lalliot.

Esperava-se que franceses, britânicos e norte-americanos apresentassem uma proposta de resolução ao conselho de Segurança no fim de terça-feira, com um calendário para o regime de Bashar al-Assad entregar as suas armas químicas.

Mas a reunião do Conselho de Segurança sobre a Síria, marcada para as 20 horas (21 de Portugal continental) foi adiada a pedido da Federação Russa.

Não foi dada nenhuma razão para o adiamento da reunião dos 15 membros.