11 de março

Portugal incentiva europeus a continuarem unidos na luta contra o terrorismo

Portugal incentiva europeus a continuarem unidos na luta contra o terrorismo

O ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, incentivou os europeus a continuarem "unidos" e a "fazer mais" na luta contra o flagelo do terrorismo, ao intervir, em nome da presidência portuguesa da UE, numa cerimónia em Madrid.

"É um dia para recordar e também de ação para que continuemos com a luta decidida pela União Europeia [UE] contra o terrorismo", disse Eduardo Cabrita numa cerimónia de comemoração no Dia Europeu das Vítimas do Terrorismo.

As vítimas mortais do terrorismo estão a ser recordadas, esta quinta-feira, em várias cerimónias em Madrid, cidade que há 17 anos foi alvo de um dos maiores ataques terroristas da história, com a morte de 192 pessoas.

"Temos de ser resilientes [na luta contra o terrorismo] sem que nos tornemos numa fortaleza de segurança", afirmou o ministro da Administração Interna, defendendo que a Europa tem de assegurar que novos ataques não ocorram.

O Dia Europeu das Vítimas do Terrorismo, fixado a 11 de março de cada ano pelo Parlamento Europeu dias após o massacre jiadista na capital espanhola, em 2004, vai ter uma homenagem central à tarde presidida pelos reis de Espanha.

O responsável português fez referência a uma série de ataques terroristas em solo europeu nos últimos anos e assegurou que a presidência portuguesa do Conselho da UE tudo fará para acelerar os trabalhos das instituições europeias no sentido da aprovação de legislação no quadro da luta contra o terrorismo.

Na cerimónia organizada pela Comissão Europeia estiveram presentes várias individualidades, como os ministros da Administração Interna de Espanha, Fernando Grande-Marlaska, o da Justiça de França, EricDupont-Moretti (por videoconferência) e a comissária europeia da Administração Interna, Ylva Johansson.

PUB

Durante a evocação, várias pessoas que foram vítimas de terrorismo, associações de vítimas e serviços de emergência deram os seus testemunhos e experiências vividas.

Eduardo Cabrita fez questão de afirmar a solidariedade europeia e agradeceu a presença das vítimas: "Todos estamos aqui unidos em redor dos valores europeus", disse.

Os atentados de 11 de março de 2004, em Madrid, foram coordenados, quase simultâneos, contra o sistema de comboios suburbanos da capital espanhola, três dias antes das eleições gerais espanholas.

As explosões mataram 192 pessoas e feriram 2.050, tendo a investigação oficial por parte da justiça espanhola concluído que os ataques foram dirigidos por uma célula terrorista inspirada na al-Qaeda, apesar de esta organização não ter participado diretamente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG