Documentos do Panamá

Português nos "Panamá Papers" tem quinta gerida pela família

Português nos "Panamá Papers" tem quinta gerida pela família

Na pequena aldeia de Carregal, freguesia de Queirã, Vouzela, todos conhecem Idalécio Castro Rodrigues de Oliveira.

Foi aqui que nasceu o português com mais de 60 anos, que anda nas bocas do mundo por estar a ser investigado no âmbito da operação Lava Jato e ter uma ligação, por essa via, aos Documentos do Panamá.

Ali, em Carregal, onde o irmão e a mãe têm casa, todos se lembram do empresário, mas por ter emigrado para Angola há mais de 30 anos e por ser o proprietário da Quinta do Fontelo, um empreendimento de turismo rural no concelho. Os moradores com quem o JN falou mostraram-se surpreendidos por o filho da terra estar nas notícias. "Emigrou para Lunda há mais de 30 anos, já não vem cá há muitos anos", contou um morador.

Pai de três filhos, um deles a viver no Porto, Idalécio divorciou-se da primeira mulher. Foi já depois de ter emigrado que comprou a Quinta do Fontelo, que ao longo dos anos foi infraestruturada. Com cerca de 50 mil metros quadrados, a quinta gerida por familiares, inclui uma casa de turismo rural, à beira da estrada que liga Vilharigues a Vouzela, a sede do concelho, a uma distância de 2,5 km. Dispõe de uma piscina exterior, campo de ténis e cavalos, disponibilizados para passeios pela propriedade.

No verão, a quinta abastece a população de água para compensar as faltas da rede pública. "É propriedade de Idalécio Oliveira", limitou-se a confirmar uma familiar à entrada da quinta do Fontelo. Familiares mais afastados recordam que, há uns anos, quando Idalécio regressava a Carregal, gabava-se de que era muito rico.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG