Reino Unido

Português poderá, afinal, ser excluído nos testes para a vacina da Covid-19

Português poderá, afinal, ser excluído nos testes para a vacina da Covid-19

Valentin Roque não dispõe de viatura que o possa levar até ao hospital do estudo, em caso de infeção. Requisito foi comunicado esta sexta-feira ao português durante testes de elegibilidade. Jovem iria integrar grupo de voluntários que testaria uma possível vacina para a Covid-19.

Desiludido e frustrado. É assim que se sente Valentin Roque, o jovem português que iria integrar um grupo de voluntários, entre os 18 e os 55 anos, que testaria uma possível vacina para a Covid-19 e que vai ser desenvolvida pela Universidade de Oxford, no Reino Unido.

"Infelizmente, hoje na entrevista de screening, foi-me dito uma regra diferente: o meu domicílio tem de ter um carro que me possa levar até ao hospital do estudo no caso de apanhar Covid-19. Eu não tenho carro, nem ninguém no meu domicílio. São uns 15 minutos a pé, mas não é opção", conta o jovem de 25 anos no Facebook.

Ao JN, o técnico de medicina nuclear confirmou os novos desenvolvimentos, remetendo mais esclarecimentos para segunda-feira, data em que saberá se foi excluído do processo.

Tudo começou no decorrer desta semana quando Valentin recebeu um e-mail a perguntar se estaria interessado em participar num ensaio relacionado com uma vacina, desenvolvida em menos de três meses, para o novo coronavírus. O contacto deu-se porque o jovem está registado numa base de dados de ensaios clínicos.

"O mundo continua e, com sorte, alguém vai ocupar o meu lugar como cobaia", afirmou na rede social.

De acordo com a Universidade de Oxford, metade dos voluntários receberá a vacina Covid-19 enquanto a outra metade será testada com uma vacina de controlo que protege contra a meningite, mas não contra o coronavírus.

Os voluntários, no entanto, desconhecem qual é a vacina que lhes será administrada, embora os médicos tenham conhecimento.

Outras Notícias