Crime

Portuguesa encontrada desmembrada na Alemanha

Portuguesa encontrada desmembrada na Alemanha

Uma portuguesa de 43 anos foi encontrada morta e desmembrada no rio Elster, na cidade alemã de Leipzig.

De acordo com as autoridades, não restam dúvidas sobre ter-se tratado de um crime. Maria D., assim identificada, foi sujeita a uma violência extrema: o seu tronco foi encontrado sob a ponte Landauer na passada quinta-feira por um transeunte e os membros localizados apenas nos dias seguintes pela Polícia. Só esta terça-feira, porém, foi revelada a identidade da vítima, na sequência da autópsia, uma vez que junto ao corpo não havia quaisquer documentos de identificação. Está ainda por determinar, de acordo com um porta-voz da polícia local, a causa da morte.

Ao que o JN apurou, os indícios apontam poder ter-se tratado de um crime de natureza passional, hipótese que está, agora, a ser explorada pelas autoridades alemãs. Os canais diplomáticos foram entretanto ativados e o Governo, através da Secretaria de Estado das Comunidades, já está em contacto com um familiar da vítima.

As primeiras testemunhas poderão, assim, ser determinantes para ajudar a desvendar este mistério. Da mulher pouco se sabe: apenas que vivia há alguns anos na Alemanha e que não tinha residência fixa. Por essa razão, as autoridades policiais lançaram um apelo público, acompanhado de uma foto da vítima, no sentido de obter mais informações.

Segundo o jornal "Bild", Maria terá emigrado para a Alemanha há cinco anos, em busca de melhores condições de vida, com o companheiro Toni M., um português de 43 anos, de quem se terá separado recentemente. A última vez que este a viu foi a 9 de abril, portanto, cerca de três semanas antes de ter sido encontrado o corpo. Toni não encontra explicações para a inusitada violência e descreve Maria como uma "pessoa alegre e sociável". "Quem fez isto à Maria? Quem foi capaz de cometer algo tão cruel?", interroga. Quando Maria desapareceu, o ex-companheiro não estranhou, dado que não era a primeira vez que ela se ausentava por um dia ou dois. O ex-casal não tinha residência fixa há algum tempo e vivia em casa de um amigo. Aliás, a polícia desconfia que Maria até estaria a usar uma casa destinada a sem-abrigo.

Os pais da portuguesa vivem em Lisboa, de acordo com o já referido jornal alemão. O secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro, contactado pelo JN, não dispunha de mais informações sobre o caso na noite de terça-feira.

Esta quarta-feira, fonte oficial indicou à agência Lusa que Portugal está em contacto com um familiar da cidadã portuguesa.