Espanha

Presidente do parlamento catalão "perplexa" com ação da Itália sobre Puigdemont

Presidente do parlamento catalão "perplexa" com ação da Itália sobre Puigdemont

A presidente do parlamento catalão, Laura Borràs, expressou esta sexta-feira "perplexidade sobre a ação da República italiana" que deteve na quinta-feira o ex-presidente da Generalitat (governo regional da Catalunha) e eurodeputado independentista Carles Puigdemont.

A "perplexidade" está contida num comunicado divulgado esta sexta-feira "com o apoio da maioria da mesa do parlamento", na sequência da detenção de Puigdemont à chegada ao aeroporto da ilha italiana da Sardenha.

"Manifesto a minha perplexidade perante uma ação da República italiana que contraria a decisão do Tribunal Geral da União Europeia [TGUE] de retirar a imunidade dos eurodeputados catalães exilados porque podiam circular por todo o território europeu, exceto Espanha, sem correr o risco de ser presos", referiu.

Borràs denunciou as ações do sistema de justiça espanhol por "não seguir os pronunciamentos dos órgãos europeus, o Conselho da Europa e o próprio TGUE, na sua obsessão de perseguir" Puigdemont e outros líderes pró-independência.

Para Borràs, trata-se e "forçar um sistema jurídico sem escrúpulos e com um desejo óbvio de vingança".

A presidente do parlamento catalão exigiu que o Governo espanhol "trate de uma vez, sem mais delongas, da negociação da amnistia e do exercício do direito à autodeterminação" na Catalunha.

PUB

Nesse sentido, exortou os cidadãos catalães a "continuarem a mobilizar-se para exigir respeito pelas próprias instituições e por aqueles que as representam e pela concretização das suas aspirações de liberdade nacional".

Alguns observadores receiam que esta detenção de Puigdemont aumente o risco de uma nova crise entre Madrid e o movimento independentista na região autónoma, numa altura de relativo desanuviamento entre as duas partes.

O Governo de Pedro Sánchez concedeu indultos em junho passado aos nove líderes independentistas que foram detidos em 2017 e condenados à prisão em 2019, depois de um julgamento histórico em que Puigdemont foi o principal ausente.

Entretanto, o Governo espanhol retomou as negociações com o governo separatista regional a 15 deste mês para encontrar uma saída para a crise separatista na Catalunha.</p>

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG