O Jogo ao Vivo

EUA

Pressão do lado de Biden no primeiro debate presidencial

Pressão do lado de Biden no primeiro debate presidencial

O especialista político Mitchell McKinney acredita que o debate presidencial que se realiza esta noite nos Estados Unidos vai apresentar mais pressão para Joe Biden, com a difícil tarefa de derrotar o atual presidente.

"Depende do próprio Joe Biden vencer ou perder", acredita o especialista em debates presidenciais Mitchell McKinney, que acrescenta que o candidato democrata parece entrar nas confrontações com uma vantagem na aprovação do público e com opiniões mais favoráveis.

O primeiro debate televisivo entre Joe Biden e Donald Trump tem uma audiência esperada de 87 milhões de pessoas, das quais apenas 5% ainda não estão decididas sobre quem querem apoiar na eleição de 3 de novembro, diz Mitchell McKinney, antigo conselheiro da comissão de debates presidenciais dos EUA e diretor do Instituto de Comunicação Política da Universidade de Missouri.

"Quando temos um presidente incumbente que pretende obter mais um mandato, a questão principal do debate - não importa sobre que tópico - é se este indivíduo merece mais quatro anos", explicou o especialista numa conferência de imprensa online nos Estados Unidos, a que a Lusa assistiu.

Joe Biden terá "a tarefa" de adversário e opositor que foca a atenção no historial do presidente e nas falhas do mandato de 2016 a 2020.

Olhando para o estilo de comunicação e para as publicações nas redes sociais, o esforço de Donald Trump vai ser de diferir essas atenções negativas e continuar a atacar ou utilizar nomes e adjetivos pejorativos contra Biden.

PUB

Donald Trump tem, desde há muito, criado a narrativa de que Joe Biden tem problemas de memória, de atenção ou de energia, pelo que se houver uma gafe ou uma 'branca' do antigo vice-presidente no debate, só servirá "para alimentar e solidificar esta narrativa".

Mitchell McKinney acrescenta que já não haverá muito que Trump faça ou diga que choque o eleitorado, porque o comportamento do presidente já é "típico" e conhecido.

O especialista defende que, nos três debates em que se vão opor os dois candidatos à Presidência dos Estados Unidos, a vitória não vai para quem mostrar mais inteligência e souber os factos e números de cor, mas sim para quem mostrar o poder da oratória, com mais força de expressão e de persuasão.

Os estudos de Mitchell McKinney no Instituto de Comunicação Política da Universidade de Missouri concluem que os debates presidenciais mudam a opinião dos indecisos: "os debates têm demonstrado serem capazes de atingir aquela fatia muito pequena de indecisos, descomprometidos [com partidos políticos] e persuasíveis".

Entre os 5% que veem o debate sem uma opinião formada, mais de metade desses toma uma decisão depois dos debates, assegurou o especialista. Esse grupo é também, segundo Mitchell McKinney, um dos que se mobiliza e vota mais, depois da "exposição à mensagem" televisiva.

"O debate pode ser consequencial, até nos resultados da eleição", apesar de que ter uma melhor performance no debate não garanta a vitória na eleição.

"Os debates geram mais conversação política entre cidadãos" do que um único evento de campanha e os impactos notam-se durante dias nas sondagens, notícias, comentários, nas redes sociais e até nos programas de entretenimento e comédia, reflete o professor da Universidade de Missouri.

Com as tecnologias, o debate pode ser "experienciado" por muito mais pessoas do que aquelas que vão mesmo assistir aos 90 minutos na noite de terça-feira (madrugada de quarta-feira em Portugal).

É nos debates contra o oponente e com atenções mais focadas que se vê o candidato "real" e "autêntico", pela forma como reage e fala, sustenta Mitchell McKinney.

Quem assistir poderá também encontrar uma "forma de comunicação credível e útil", porque os candidatos não podem controlar as mensagens que vão surgir ao longo do debate, com segmentos de 15 minutos dedicados a diferentes tópicos e com uma conversa orientada pelo jornalista moderador (Chris Wallace no debate desta noite).

Donald Trump e Joe Biden vão voltar a enfrentar-se em mais dois debates televisivos, a 15 e 22 de outubro.

Os candidatos a vice-presidente, Mike Pence e Kamala Harris, também têm um debate televisivo, a 7 de outubro.

Joe Biden fez parte de um momento histórico dos debates televisivos como candidato a vice-presidente em 2 de outubro de 2008, contra Sarah Palin, a única vez da história dos EUA em que um debate vice-presidencial teve mais audiência do que um debate entre candidatos a presidente, na altura Barack Obama e John McCain.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG